Marcelo Bretas surge como evangélico mais provável ao STF Após o questionamento do presidente Jair Bolsonaro sobre a possibilidade de um ministro evangélico no Supremo Tribunal Federal, a mídia passou a especular nomes. E um dos mais citados é o do juiz Marcelo Bretas, membro da Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul, originário da Assembleia de Deus e que conduz a Operação Lava-Jato no Rio de Janeiro.



Bolsonaro e Bretas se tornaram próximos nos últimos tempos, com o juiz tendo participado de um coquetel a convite do presidente.



Em encontro da Convenção Nacional das Assembleias de Deus Madureira, na sexta-feira (31), em Goiânia, Bolsonaro disse que o STF estaria “legislando” ao tratar de temas como a criminalização da homofobia – e propôs um ministro evangélico para a corte.



Não há vagas no Supremo neste momento, o que só deverá acontecer a partir do próximo ano, quando chegarão à idade de se aposentar os ministros Celso de Melo e Marco Aurélio Mello.