Escola do ministério One Passion é alvo de atentado terrorista no Paquistão O ministério evangelístico One Passion Mission divulgou nessa sexta-feira (29) em suas redes sociais um pedido de oração urgente depois que sua escola no Paquistão sofreu um atentado terrorista.

“Precisamos das suas orações, acabamos de sofrer um atentado terrorista em nossa escola no Paquistão. 5 radicais muçulmanos com pedaços de paus e arma de fogo entraram em nossa escola em horário de aula, agrediram nossos obreiros, professores e segurança”, diz o comunicado.

Segundo o One Passion, o segurança Nadeem Amjad foi hospitalizado após ser agredido.


“A polícia foi acionada e, graças a Deus, atenderam ao chamado dessa vez, evitando uma tragédia maior. Apenas dois homens foram presos”, seguiu o comunicado revelando que outros três que conseguiram escapar e prometeram voltar para “terminar o serviço”.

“Orem para que o Senhor proteja nossas crianças e preserve a vida dos nossos pastores e obreiros, e providencie um local seguro para seguirmos trabalhando”, pede o ministério.

O One Passion Mission tem como objetivo anunciar o nome de Cristo nos 50 países mais fechados ao Evangelho. E atualmente conta com 10 igrejas, 4 escolas e 1 orfanato em 10 países com intensa perseguição aos cristãos.

Perseguição
No Paquistão, os cristãos representam 2,59% da população. Nos últimos anos, a comunidade cristã paquistanesa foi alvo de diversos atentados terroristas. O maior deles, na Páscoa de 2015, deixou 17 mortos e dezenas de feridos. Dois anos antes, um atentado a uma igreja matou 80 pessoas.

Os cristãos nesse país asiático são considerados cidadãos de segunda classe e enfrentam discriminação em todos as esferas da vida, muitas vezes dentro da própria família.

Os líderes da igreja podem ser presos se não cumprirem os desejos das autoridades. Durante a pandemia de Covid-19, os cristãos só recebiam ajuda caso se convertessem ao islã.  

As leis de blasfêmia são utilizadas para acusar não muçulmanos de insultar o profeta Maomé ou o Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos. Além disso, uma epidemia silenciosa de sequestros, casamentos e conversões forçadas de meninas e mulheres cristãs se espalha de forma cada vez mais intensa no Paquistão.