China é acusada de extrair órgãos de presos cristãos

Estudos revelam que a China está matando pessoas presas por serem cristãs para retirar seus órgãos e enviar para doação. Um tribunal internacional independente, na Inglaterra, revelou a informação para o resto do mundo.



O parlamento britânico denunciou a extração forçada de órgãos sem anestesia. Já existiam algumas investigações sobre tráfico internacional de órgãos na China noticiado pelo site "Opinião Crítica".



“Chineses que estão presos por causa da maneira como buscam a Deus, ou adoram a Deus, e o governo chinês se sente ameaçado por isso. Então eles estão matando esses prisioneiros e estão colhendo seus órgãos internos para obter lucro", disse Gary Bauer, membro da comissão de liberdade religiosa dos Estados Unidos.



O país tinha parado de recolher órgãos de prisioneiros há cinco anos e alegou que as acusações são feitas para propaganda política contra o país. Mas o tribunal chinês sugere que ainda há extrações acontecendo. Segundo o site "The Guardian", a denúncia não bate com as informações dada pelo governo da China.



O tribunal ouviu relatos e iniciou um trabalho para acabar com o abuso de transplantes. Cerca de 90 mil cirurgias são realizadas por ano na China, segundo o tribunal, mas o país não se pronunciou sobre elas.