Governo do Rio inicia operação Estação Segura para melhorar serviços prestados pela SuperVia Por determinação do governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, o Governo do Estado deu início, nas primeiras horas desta sexta-feira (08), à Operação Estação Segura. Trata-se de uma série de ações de secretarias e órgãos para melhorar os serviços prestados pela SuperVia à população. As equipes do Procon estadual e da Polícia Militar foram as primeiras a entrar em ação em pontos da malha ferroviária.

- Não vamos tolerar nenhum tipo de mau atendimento aos passageiros, que já sofrem muito nos trens. Intensificar esse trabalho de fiscalização é fundamental para entregar um serviço de qualidade para quem depende diariamente deste modal. A Segurança Pública não será usada como desculpa para os problemas da SuperVia - afirma Cláudio Castro.

O secretário de Estado de Defesa do Consumidor, Rogério Amorim, e a diretora de Fiscalização do Procon, Elisa Clementino, comandaram a fiscalização inicialmente na Estação de Deodoro, seguindo para a de Madureira. O objetivo é percorrer outros pontos da linha e verificar irregularidades, além de ouvir passageiros e checar itens como horários, superlotação e condições de segurança dos trens.

Já a Secretaria de Estado de Polícia Militar iniciou a retomada de quatro estações apontadas pela própria SuperVia como locais que precisam de imediata ação relacionada à segurança pública. O Grupamento de Policiamento Ferroviário (GPFer), os batalhões de área e a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) atuam também desde cedo em pontos específicos.

A operação está focada em Guapimirim, Manguinhos (Zona Norte da capital), Parada Angélica (Duque de Caxias) e Suruí (Magé).

Governador suspendeu conversas com a SuperVia

As operações estão sendo realizadas um dia após o governador suspender as negociações, que já duravam meses, para o reajuste e fixação de uma tarifa aos usuários.

Em coletiva na noite dessa quinta-feira (8), o governador Cláudio Castro afirmou:

- É inadmissível atribuir todas as questões a furto de cabos. É falta de manutenção, de conservação e de investimentos, o que fez com que os atrasos se tornassem rotina para os usuários. O Estado do Rio de Janeiro, a população e este governo não vão tolerar insuficiência técnica - disse Castro.

Na última quarta-feira (06), em mais um episódio, a circulação dos trens foi interrompida, e 54 estações chegaram a fechar na Baixada Fluminense, prejudicando passageiros que dependiam do transporte.