Pastor enfrenta ameaças de morte após família ser sequestrada e espancada por radicais hindus Um pastor no estado central de Madhya Pradesh, na Índia, foi falsamente acusado de conversão forçada e recebeu ameaças de morte após seus agressores serem postos em liberdade.

O pastor Kailash Dudwe, da aldeia Kukshi, no distrito de Dhar, no estado de Madhya Pradesh, que ainda está se recuperando dos ferimentos que ele e sua família sofreram em um ataque brutal de nacionalistas radicais hindus em janeiro, foi condenado a ir ao tribunal para se defender de uma queixa apresentada por seus agressores que alegam que ele violou a lei “anti-conversão” do estado, segundo a imprensa local.

A esposa do pastor, Jyoti Dudwe, apresentou uma queixa policial contra um homem nacionalista hindu, identificado como Ashok Bamnia, e cerca de 25 outros que invadiram sua casa para prender e agredir a família cristã. Além das acusações de intimidação criminal, restrição indevida e agressão, a polícia acrescentou uma seção da Lei de Castas e Tribos Programadas (Prevenção de Atrocidades) à queixa contra os agressores.

Todos os acusados ​​permanecem foragidos.

Jyoti Dudwe disse que seu marido, que continua indo ao hospital para tratar seus ferimentos, recebeu ameaças de morte, mas a polícia não forneceu nenhuma proteção a ele ou à família. Para complicar ainda mais sua vida, o proprietário da casa onde moram também exigiu que eles desocupem o imóvel e nenhuma outra pessoa está disposta a alugar outro para eles.

Em 14 de janeiro, uma multidão de mais de 20 nacionalistas hindus radicais atacou fisicamente o pastor Dudwe e seis outros cristãos, incluindo sua esposa, sua filha de 5 anos, uma menina de 16 anos e quatro homens.

Os agressores tentaram atingir a filha do pastor com uma barra de ferro.

Em um vídeo do ataque, mulheres cristãs são vistas implorando à multidão que lhes permita dar água ao pastor que caiu no chão semiconsciente com o nariz sangrando e incapaz de levantar qualquer parte de seu corpo.

A esposa e os cunhados do pastor, Aakash Joshi e Vikas Joshi, também ficaram gravemente feridos no ataque.

Pastor Dudwe foi hospitalizado por duas semanas. Após receber alta, ele soube que havia um mandado de prisão contra ele. Ele se entregou na delegacia de Kukshi em 1º de fevereiro e foi enviado para a prisão de Alirajpur. Ele permaneceu na prisão por três dias e três noites antes de ser libertado sob fiança.

Os cultos da igreja do pastor Dudwe pararam desde o ataque, e as autoridades locais deram ordens para que outras igrejas da área interrompam o culto.

As leis anticonversão da Índia presumem que os cristãos “forçam” ou dão benefícios financeiros aos hindus para convertê-los ao cristianismo. Algumas dessas leis estão em vigor há décadas em alguns estados. Grupos nacionalistas radicais hindus frequentemente usam as leis para fazer acusações falsas contra cristãos e lançar ataques contra eles sob o pretexto de uma suposta conversão forçada.

Para os cristãos da Índia, 2021 foi o “ ano mais violento ” da história do país, segundo um relatório do United Christian Forum, que registrou pelo menos 486 incidentes violentos de perseguição cristã no ano.

Os cristãos representam apenas 2,3% da população da Índia e os hindus representam cerca de 80%.