Franklin Graham pede cessar-fogo entre Rússia e Ucrânia durante período da Páscoa Diante da morte de mais de 1.300 na guerra da Rússia contra a Ucrânia, o evangelista Franklin Graham pediu aos presidentes russo, Vladimir Putin, e ucraniano Volodymyr Zelenskyy, que decretem um cessar-fogo durante os 10 dias de observância da Páscoa.


"Escrevi para... Putin e... Zelenskyy pedindo um cessar-fogo de 15 a 24 de abril", escreveu Graham, que dirige a organização humanitária internacional Samaritan's Purse e a Associação Evangelística Billy Graham, via Facebook.

“Eu compartilhei com eles que estarei convocando igrejas na Ucrânia, Rússia e ao redor do mundo para se unirem em oração durante esses 10 dias”, escreveu Graham, que recentemente visitou a Ucrânia. “Que possamos humildemente nos unir diante do Rei dos reis e do Senhor dos senhores, o Príncipe da Paz, para pedir Sua ajuda e misericórdia.”

Graham escreveu que espera que, se eles concordarem com um cessar-fogo de 10 dias, “talvez possam parar de lutar por duas semanas”.

“Se eles pararem por duas semanas, talvez possam parar por um mês”, acrescentou. “Se eles pararem por um mês, talvez possam parar de vez. Você tem que começar em algum lugar.”

Graham, filho do lendário e saudoso evangelista Billy Graham, disse que o conflito mortal é “um desastre causado pelo homem, uma crise humanitária histórica. Ele acredita que “Deus é a única solução”.

Graham disse que a organização Samaritan's Purse (Bolsa do Samaritano, em tradução literal) tem levado ajuda aos ucranianos que fogem das regiões alvo da Rússia para o oeste da Ucrânia.

A organização estabeleceu um hospital de campanha no oeste da Ucrânia. A instituição de caridade com sede na Carolina do Norte, EUA, está operando clínicas médicas e distribuindo itens de ajuda por meio de 3.000 parceiros da igreja na Ucrânia e na Moldávia. A organização fez cinco transportes aéreos, entregando mais de 185 toneladas de suprimentos desde 4 de março. 

A Samaritan's Purse tem mais de 150 funcionários na região e trata mais de 100 pacientes por dia. A organização atendeu mais de 2.400 pacientes em todos os seus locais médicos na semana passada. 

A organização planeja montar um segundo hospital de campanha de emergência perto da linha de frente do conflito.