Líderes ocidentais condenam imagens de civis ucranianos mortos por tropas russas O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy acusou a Rússia de cometer genocídio em seu país, enquanto líderes ocidentais condenavam imagens de civis ucranianos mortos em uma cidade abandonada pelas forças russas fora da capital, Kiev.

“Na verdade, isso é genocídio. A eliminação de toda a nação e do povo”, disse Zelenskyy ao programa de notícias “Face the Nation” da CBS no domingo (03), falando por meio de um tradutor.

“Somos cidadãos da Ucrânia e não queremos ser subjugados à política da Federação Russa. Esta é a razão pela qual estamos sendo destruídos e exterminados.”

As declarações de Zelenskyy vieram um dia depois que as forças ucranianas se mudaram para a cidade de Bucha, perto de Kiev, e encontraram o que autoridades e testemunhas disseram serem corpos de civis mortos pelas forças russas. Inicialmente, os corpos foram enterrados em túmulos, nos terrenos da Igreja de Santo André e Pyervozvannoho Todos os Santos, nos primeiros dias da guerra, disseram moradores.

A Ucrânia acusou as forças russas de realizar um “massacre” em Bucha. O Ministério da Defesa da Rússia negou as alegações ucranianas, dizendo que imagens e fotografias mostrando corpos em Bucha eram “mais uma provocação” do governo ucraniano.

O ministério disse que “nenhum civil enfrentou qualquer ação violenta dos militares russos” em Bucha.

As imagens de Bucha vieram depois que a Ucrânia disse no sábado que suas forças recuperaram o controle de toda a região de Kiev e libertaram cidades das tropas russas.

As Nações Unidas disseram que a descoberta de valas comuns em Bucha levantou sérias questões sobre possíveis crimes de guerra e destacou a importância de preservar evidências.

“O que se sabe até agora levanta claramente questões sérias e perturbadoras sobre possíveis crimes de guerra e graves violações do direito internacional humanitário”, disse o escritório de direitos humanos da ONU.

A Human Rights Watch (HRW) disse no domingo que encontrou “vários casos de forças militares russas cometendo violações das leis de guerra” em regiões controladas pela Rússia, como Chernihiv, Kharkiv e Kiev.

A ONU disse que mais de 1.300 pessoas, incluindo 64 crianças, foram mortas e 2.017 feridas no país. Ele acredita que os números reais são “consideravelmente maiores”.

'Brutalidade'
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que as imagens de civis ucranianos mortos encontradas em Bucha foram um “soco no estômago” e os responsáveis ​​devem ser responsabilizados.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, chamou os assassinatos em Bucha de uma “brutalidade” inédita na Europa há décadas.

Questionado se as forças russas precisariam se retirar para posições antes da invasão de 24 de fevereiro, Zelenskyy disse: “Deve haver 100% de retirada das tropas para as fronteiras que existiam antes de 24 de fevereiro, pelo menos.

“Isso nos faria pelo menos começar a discutir outras questões sobre a desocupação”, acrescentou.

Enquanto isso, o chefe do Partido Democrata da Itália pediu um embargo total de petróleo e gás.

A ministra da Defesa da Alemanha, Christine Lambrecht, disse que a União Européia deve discutir a proibição da importação de gás russo – um afastamento da resistência anterior de Berlim à ideia de um embargo às importações de energia russa.