Ramadã afeta diretamente a Igreja Perseguida nos países de maioria muçulmana

Neste dia 2 de abril de 2022, após o pôr-do-sol, tem início mais um Ramadã, o mês do jejum islâmico. Isso significa que ao ser avistada a lua crescente em Meca, na Arábia Saudita, muçulmanos de todo o mundo começarão a jejuar até o próximo nascer do sol. São 30 dias de jejum, indo até 1 de maio.

A organização Portas Abertas preparou um guia com as explicações principais sobre o Ramadã e suas implicações para a Igreja Perseguida. 

Muitos cristãos perseguidos vivem no contexto de países islâmicos, onde os muçulmanos são a maioria. Nesses locais é comum que eles enfrentem a opressão islâmica como o principal tipo de perseguição, por parte de muçulmanos radicais. Prova disso é que dos 50 países da Lista Mundial da Perseguição 2022 de Portas Abertas, 34 têm a opressão islâmica como tipo de perseguição. Assim, o Ramadã afeta diretamente a Igreja Perseguida nos países de maioria muçulmana.

A organização que apoia mais de 360 milhões de cristãos perseguidos no mundo e atua em mais de 60 países onde cristãos são perseguidos por sua fé, está mobilizando os crentes brasileiros, livres de perseguição religiosa, a orar pelos cristãos perseguidos nestes países. Portas abertas criou um mapa de oração com pedidos em todos os dias durante o Ramadã. Acesse AQUI!  (para ver a lista com os dias de oração clique no ícone ao lado de "Ramadã - 30 dias de oração").

Fortaleça os Cristãos Secretos

Em muitos desses países, os cristãos precisam esconder sua fé em Jesus, vivendo e adorando secretamente até mesmo de suas famílias. Há relatos de jovens que foram expulsos de casa e até mortos por familiares após descobrirem sua nova fé. Exemplo disso é a cristã iraquiana Eman Sami Maghdid, que foi morta após se converter a Jesus.

Além de orar, você pode fortalecer os cristãos secretos que vivem em contexto islâmico, como os cristãos do Centro e Sudeste da Ásia. Saiba mais como apoiar e ser a resposta de oração de cristãos secretos de contexto muçulmano.