Medalha de ouro de nadadora trans não é reconhecida O governador da Flórida, Ron DeSantis, emitiu nesta semana uma proclamação que tira a medalha de ouro da nadadora trans Lia Thomas. A atleta, que biologicamente é homem, venceu os cerca de 450 metros livres da principal liga universitária de natação dos Estados Unidos, na semana passada, e foi a primeira mulher trans a conseguir tal feito.

O governador rejeitou o resultado da prova e "proclamou" como campeã a segunda colocada, Emma Weyant, que terminou a prova menos de 2 segundos atrás de Thomas.

"Ao permitir que os homens compitam nos esportes femininos, a NCAA está destruindo as oportunidades para as mulheres, zombando de seus campeonatos e perpetuando uma fraude. Na Flórida, rejeitamos essas mentiras e reconhecemos Emma Weyant, de Sarasota [cidade da Flórida], como a melhor nadadora feminina nas 500 jardas estilo livre", escreveu em seu Twitter.

Ele voltou a falar sobre o assunto em uma coletiva de imprensa, segundo a CNN. "A NCAA está basicamente se esforçando para destruir o atletismo feminino. Eles estão tentando minar a integridade da competição e coroar outra pessoa. Se você olhar para o que a NCAA fez ao permitir basicamente que os homens competissem no atletismo feminino e, neste caso, a natação (...) Você tinha a mulher que terminou em primeiro, era de Sarasota, Emma Weyent. Ela ganhou a medalha de prata, mesmo sendo uma superestrela em toda a sua carreira. Precisamos parar de permitir que se perpetuem fraudes para o público. Precisamos parar de permitir que organizações como a NCAA perpetuem fraudes. Ela [Emma] ganhou isso", completou.

A participação de trans em competições para mulheres tem gerado polêmica em todo o mundo. Para A ex-atleta e medalhista olímpica Ana Paula Henkel, conhecida como Ana Paula do Vôlei, a genética masculina de Thomas desclassificou meninas, bateu recordes e recebeu troféus no esporte feminino.

Em seu Instagram, ela disse respeitar como as pessoas escolhem viver suas vidas, mas jamais aplaudirá competições entre pessoas que realmente nasceram mulheres com homens que se identificam como mulher.

“Conheçam Lia Thomas, atleta trans e a nova “campeã” de natação da liga universitária dos EUA. Sua genética masculina desclassificou meninas, bateu recordes e recebeu troféus no esporte feminino. Respeito como as pessoas escolhem viver suas vidas, mas jamais aplaudirei isso no esporte. Jamais.
Não há palavras para expressar a tristeza no coração em ver meninas tendo suas chances ceifadas, depois de anos de treinamento e investimento, por uma ideologia nefasta, vil e injusta. Parem de fingir que isto é inclusão. Isto é EXCLUSÃO de meninas e mulheres do esporte feminino.
Acordem, atletas. Acordem. Vocês são as únicas capazes de parar essa insanidade contra nós mulheres. Não tenham medo. As pessoas estão do nosso lado! Acreditem! Vocês ainda podem salvar o esporte feminino com sobriedade, com classe, com argumentos sólidos. A ciência e a biologia humana NÃO MUDAM porque alguém assim deseja”, desabafou Ana Paula.