Pai que matou 3 filhas em igreja na Califórnia estava ilegal nos EUA

O homem de 39 anos que matou a tiros suas três filhas e seu acompanhante antes de se matar dentro do santuário da Igreja em Sacramento, na Califórnia, na semana passada estava nos Estados Unidos ilegalmente, segundo autoridades de imigração.

David Mora, um cidadão mexicano que assassinou suas próprias filhas, de 13, 10 e 9 anos, estava com seu visto expirado, disse a porta-voz do Serviço de Imigração e Alfândega dos EUA, Alethea Smock, à Associated Press. O acompanhante foi identificado como Nathaniel Kong, de 59 anos. Os registros comerciais mostram que ele era um executivo da igreja.

O assassino morava na igreja desde que foi liberado de um centro de saúde mental em abril de 2021, depois de ameaçar ferir a si mesmo e sua namorada, segundo a AP.

Sua ex-namorada estava com ele há cerca de 15 anos, mas havia pedido uma ordem de restrição contra ele no ano passado. 

Ela também disse que Mora foi hospitalizado há cerca de um ano depois de “expressar o desejo de cometer suicídio”.

A ordem concedida em 19 de maio de 2021 limitava Rojas a quatro horas semanais de visitas supervisionadas com suas filhas com uma acompanhante mutuamente acordada. Ele também foi obrigado a fazer aulas de controle da raiva.

Documentos judiciais mostram que Rojas estava sob fiança no momento do crime após uma prisão na semana anterior por várias acusações, incluindo agredir um policial.

Rojas foi preso em 23 de fevereiro, mas pagou fiança e foi liberado depois de passar uma noite na cadeia.

Em um  comunicado  publicado no site da igreja na terça-feira, as autoridades disseram que a congregação estava “devastada e com o coração partido” pela tragédia.

“A liderança da Igreja em Sacramento está chocada e triste com o trágico tiroteio que ocorreu em nosso salão de reuniões na segunda-feira, 28 de fevereiro, resultando na morte de cinco de nossos membros, incluindo três meninas de uma de nossas famílias”. disse a igreja.

 



 



*Imagem meramente ilustrativa/Pixabay