Bolsonaro participa de evento que marca início da maior concessão da história do Brasil Destinada a se consolidar como principal corredor rodoviário do Brasil, a rodovia Presidente Dutra (BR-116/RJ/SP) está prestes a entrar de vez no século 21, tornando-se a estrada mais tecnológica do país, em uma concessão que também agrega a Rio-Santos (BR-101/RJ/SP). Evento realizado nesta sexta-feira (4), em São José dos Campos (SP), marcou o início do novo contrato de 30 anos com o Grupo CCR, com as presenças do presidente da República, Jair Bolsonaro, e do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Monitoramento completo da Dutra com câmeras automáticas para identificação de incidentes; passagem de veículos sem necessidade de parada em pontos de pedágio, em Guarulhos/SP; desconto na tarifa para aqueles usuários frequentes das rodovias; adoção de metodologia internacionalmente reconhecida por reduzir acidentes em estradas e emissão zero de carbono estão entre as inovações que serão implantadas pela concessionária ao longo das próximas três décadas. O pacote de investimentos privados a serem alocados nas duas rodovias soma R$ 14,8 bilhões e o de serviços operacionais, R$ 10,8 bilhões.


"Aqui, vamos gerar emprego e renda. Veremos o investimento em infraestrutura como força motriz, impulsionando o desenvolvimento econômico", afirmou o ministro da Infraestrutura. Além de o contrato contemplar uma redução tarifária imediata para automóveis e caminhões, pela primeira vez em uma concessão rodoviária não será cobrado pedágio para motociclistas.


Obras que geram empregos
As melhorias começam gradualmente, abrindo canteiros de obras nas duas rodovias capazes de gerar ao longo do contrato 218,7 mil novos postos de trabalho direto, indireto e efeito-renda. São vagas diretamente relacionadas às intervenções previstas e em atividades de apoio às obras, impactando diretamente os habitantes dos 33 municípios de São Paulo e Rio de Janeiro, "vizinhos" às BRs 116/101.


Compõem a lista de melhorias 590 quilômetros de faixas adicionais, sendo 557 quilômetros só na Dutra; 128 passarelas; 144 quilômetros de vias marginais; 144 dispositivos e interseções novos e remodelados; 535 pontos de ônibus; quatro áreas de descanso para caminhoneiros, três na Dutra e uma na Rio-Santos; e 59 corredores para passagens de animais.


A meta é dotar as duas estradas federais de toda a infraestrutura necessária para proporcionar maior segurança e, consequentemente, conforto a motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres; suportando o tráfego intenso de veículos de passeio e de carga que transportam por ali mais da metade de toda a riqueza produzida no país.


Fluidez
As intervenções em território paulista serão de R$ 7,4 bilhões do total de investimentos previstos no contrato – R$ 3,9 bilhões apenas para a ampliação de capacidade das rodovias. Na região metropolitana de São Paulo serão alocados R$ 1,4 bilhão para transformar o trânsito e facilitar o acesso ao Aeroporto de Guarulhos. Estão previstos 366 quilômetros de 3ª e 4ª faixas; 10 quilômetros de novas marginais; seis novas alças de acesso às rodovias Helio Smith e Fernão Dias; bem como à Ponte do Tatuapé; e 12,6 quilômetros de faixa reversível. Também estão programados mais de 100 quilômetros de vias marginais junto aos municípios ao longo da Dutra.


Espera-se que as melhorias reduzam o tempo de viagem entre o aeroporto internacional de São Paulo e a capital do estado, que hoje é de 37 minutos na via marginal, para 22 minutos; na via expressa, a estimativa é que o deslocamento dure somente 14 minutos.


Transformação na Serra das Araras
Na porção fluminense da nova concessão, serão aplicados R$ 7,5 bilhões do total previsto para os 30 anos de contrato – R$ 4,6 bilhões só em aplicação da capacidade das duas rodovias. Devem ser executados 203 quilômetros de 3ª e 4ª faixas, 26 quilômetros de faixas adicionais para ultrapassagem e 80 quilômetros de duplicações na BR-101, entre a cidade do Rio de Janeiro e Angra dos Reis.
 

Parte da Serra do Mar e passagem obrigatória para quem se desloca entre Rio de Janeiro e São Paulo, a Serra das Araras (RJ) receberá atenção especial na nova concessão. Para ampliar a capacidade do trecho, tornando-o mais seguro, está previsto investimento de R$ 1,2 bilhão 6 16 quilômetros de novas pistas duplicadas.
 

Os recursos serão aplicados na construção de uma nova pista para a subida da serra e a adequação da pista atual, tornando-a exclusiva para a descida dos veículos. Ambas as vias terão quatro faixas de rolamento por sentido. Haverá ainda a implantação de um túnel com 400 metros de extensão e de duas áreas de escape ao longo da nova pista, além de outras obras de arte especiais no trecho da serra.



*Foto: Ricardo Botelho / Ministério da Infraestrutura