Secretaria de Saúde do Rio dá 10 dicas para evitar contágio por Covid-19 na volta às aulas Com a volta às aulas presenciais, a euforia para o reencontro com os colegas de classe tornou-se preocupação para pais, professores e diretores das escolas do Rio de Janeiro. Afinal, como dosar essa energia evitando o contágio da Covid-19? A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) dá dez dicas para este retorno tão aguardado pelas crianças e adolescentes.

- A conversa entre pais, alunos e escola é fundamental. Além de uma resolução conjunta com outras secretarias estaduais, a SES vem divulgando nas redes sociais uma campanha informativa. É importante aprendermos essa nova convivência das turmas e o novo comportamento na hora do recreio, por exemplo. Acima de tudo, é fundamental que as crianças e adolescentes estejam vacinados contra a doença - disse o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.

Na última sexta-feira, dia 4, foi publicada, em edição extra do Diário Oficial, a resolução 1604, elaborada pelas secretarias de Saúde, Educação e Ciência, Tecnologia e Inovação, atualizando os protocolos sanitários das unidades escolares. A rede estadual de ensino conta com 1.230 escolas, onde estão matriculados 678 mil estudantes.

As dicas da Secretaria de Estado de Saúde são:

1 - Higienize os materiais que vão e voltam à escola;

2 - Não envie brinquedos neste momento. Certifique-se de que seu filho leve para a escola apenas o essencial;

3 - Envie máscaras extras que ofereçam a devida proteção para que possam ser trocadas quando necessário ao longo do dia;

4 - Inclua frasco de álcool em gel nos itens pessoais;

5 - Oriente para que forre a pia com papel toalha na hora de escovar os dentes;

6 - Oriente seus filhos a não emprestar itens pessoais, como copos, material escolar nem tubos de pasta de dente;

7 - Lembre seu filho de se sentar afastado do colega quando fizer as refeições;

8 - Verifique a temperatura dos estudantes antes da ida à escola. Caso o resultado seja mais de 37,5°C, deve-se procurar serviço médico, e a escola, ser comunicada;

9 - Também não devem ir à escola estudantes, responsáveis e servidores que apresentarem ao menos dois sintomas gripais, como obstrução nasal, diarreia, calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza e alterações no paladar e olfato;

10 - Beijos e abraços devem ser evitados, mas podemos criar um jeito novo de cumprimentar nossos amigos: que tal um 'soquinho' ou 'bate cotovelo'? Ou um código secreto de 'bate pés'? Vai que a moda pega!

Protocolos sanitários atualizados

- Disponibilização de totens para higienizar as mãos com álcool em gel 70% em locais de circulação e na entrada de ambientes administrativos;

- Limpeza dos dutos e filtros dos aparelhos de ar-condicionado;

- Higienização com álcool 70% ou hipoclorito de sódio 0,1% (água sanitária), dos pisos e paredes, das superfícies de toque e dos mobiliários e equipamentos das unidades escolares, diariamente;

- Os bebedouros serão lacrados, sem permitir que os alunos levem a boca diretamente para beber água. Bebedouros com torneiras serão permitidos, caso os alunos estejam fazendo uso de suas próprias garrafas ou copos, de uso individual;

- Todos os presentes na escola devem estar utilizando máscara de maneira correta: alunos, servidores e colaboradores. Além disso, a escola deverá manter estoque suficiente de máscaras para disponibilização a alunos, servidores em casos emergenciais;

- A unidade escolar terá um espaço reservado (área de isolamento) para quem apresentar sintomas, onde o mesmo deverá permanecer até ser conduzido pelo responsável a uma unidade de saúde;

- As unidades escolares deverão ter afixados os cartazes informativos. A conscientização da comunidade escolar é primordial na volta às aulas.