Corpo da cantora Elza Soares é velado no Theatro Municipal do Rio O corpo da cantora Elza Soares está sendo velado nesta sexta-feira (21) no Theatro Municipal, na Cinelândia, centro do Rio de Janeiro.

A cantora morreu na tarde de ontem (20), aos 91 anos, de causas naturais. Restrito a parentes e amigos das 8h às 10h, o velório fica aberto ao público até as 14h de hoje.

Depois, o corpo será levado em carro aberto do Corpo de Bombeiros para o cemitério Jardim da Saudade de Sulacap, na zona oeste da cidade, com trajeto passando pela Avenida Atlântica, em Copacabana, bairro em que Elza morou por muitos anos. A despedida no cemitério e o enterro serão restritos a parentes e amigos.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, esteve no velório e decretou três dias de luto oficial na cidade. “Hoje temos que celebrar a vida desta mulher. Desta grande representante da cultura brasileira. Da força da mulher brasileira, das pessoas que nascem nas favelas e nas periferias, das pessoas pretas, das pessoas que enfrentam as dificuldades da vida.... Esta mulher soube permanentemente se levantar e enfrentar. Esta é uma marca dela. Vamos celebrar a vida da Elza Soares, homenageá-la muito porque o Brasil deve muito a ela”, disse o prefeito.

Segundo o empresário da cantora, Pedro Loureiro, Elza estava bem e gravou um DVD nos dias 16 e 17 deste mês. Ontem acordou bem-disposta e fez fisioterapia. Depois de um tempo, aparentou cansaço, chamou a família e disse: “eu acho que vou morrer”.

Vida e obra
Eleita em 1999 pela rádio pública britânica BBC A Voz Brasileira do Milênio, Elza Soares gravou 36 discos em sua carreira, iniciada na década de 1950. Conhecida como cantora de samba, negava rótulos e transitou também pelo jazz, hip hop e MPB. Sua voz rouca e forte a consagraram na música brasileira.
Mulher, negra e favelada, desde o início da carreira, Elza chamou a atenção para as questões raciais e de gênero.

Segundo o Dicionário Cravo Albin da MPB, Elza “deu uma forma inteiramente nova aos dois estilos de samba que se conhecia quando ela surgiu, o samba de raiz e a bossa nova, criando um estilo novo que chegou mesmo a ser chamado de 'bossa negra' para implicar com a bossa 'branca' feita pelos riquinhos da zona sul do Rio”. A Bossa Negra foi o nome de um dos primeiros álbuns lançados pela cantora, em 1960.

Como prometido, cantando até o fim, Elza Soares estava com uma grande agenda de shows anunciada até agosto, a maioria ao lado do happer Renegado. Os dois apresentaram o show Onda Negra em Belém, no dia 19 de dezembro.