EUA têm oito casos de crianças com inflamação no coração após tomarem vacina da Pfizer

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) anunciou na quinta-feira (16) que recebeu relatos de oito crianças de cinco a 11 anos que sofreram de miocardite após receber a vacina contra a Covid-19 da Pfizer e da BioNTech.

Anteriormente, a organização havia relatado que as taxas de miocardite, inflamação do coração, eram cerca de 69 em cada um milhão de doses administradas para meninos de 16-17 anos e cerca de 40 em cada milhão para meninos de 12-15.

Esses novos casos foram relatados no Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas dos EUA, e o CDC os apresentou a um painel de seus consultores especialistas.

No entanto, as autoridades não confirmaram ou negaram uma ligação entre a vacina e os casos de miocardite.

O CDC disse que houve mais de 7 milhões de doses de vacina administradas na faixa etária de cinco a 11 anos, com cerca de 5,1 milhões de primeiras doses e 2 milhões de segundas doses.

Liberação da Anvisa

Aqui no Brasil, o Supremo Tribunal Federal tenta pressionar o governo federal a iniciar a vacinação de crianças, depois que, na quinta-feira (16), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou o uso da vacina da Pfizer em meninos e meninas de 5 a 11 anos.

O ministro Ricardo Lewandowski, do  STF, determinou, nessa sexta-feira (17), que o governo se manifeste em 48 horas sobre a imunização do público infantil.

“Que o governo federal apresente, em 48 horas, a complementação do Plano Nacional de Vacinação, para incluir as etapas a serem cumpridas para iniciar e concluir a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos contra a Covid-19, incluindo-se um cronograma que viabilize a cobertura vacinal adequada de toda a população infantil antes da retomada das aulas, bem como a previsão de um dia nacional (Dia D) para vacinação, ou mesmo a designação de possíveis datas para a realização de grandes mutirões de incentivo e vacinação”, diz Lewandowski na ação.

Durante sua tradicional live, na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que a decisão de vacinar crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19 cabe aos pais.

Bolsonaro disse ainda que pediu o nome dos integrantes da agência reguladora que aprovaram essa autorização, para que sejam divulgados.

“A Anvisa não está subordinada a mim, vamos deixar bem claro isso, não interfiro lá, mas pedi extraoficialmente o nome de quem autorizou a vacina para crianças a partir de cinco anos. Queremos divulgar o nome dessas pessoas para que todo mundo tome conhecimento de quem são e forme seu juízo”, disse o presidente.