Austrália reabre fronteira a trabalhadores qualificados e estudantes Trabalhadores qualificados e estudantes estrangeiros, com o esquema de vacinas contra a covid-19 completo, podem entrar na Austrália a partir desta quarta-feira (15), após quase dois anos de fechamento da fronteira devido à pandemia.

A reabertura parcial estava prevista para o início deste mês, mas a descoberta da variante Ômicron do coronavírus levou as autoridades a adiar a medida por duas semanas.

"Temos de viver com o vírus. Não vamos recuar. Temos uma das mais altas taxas de vacinação, por isso podemos combater a variante. Não vamos desistir", disse o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, em entrevista.

A Austrália, que administrou a orientação completa da vacina a cerca de 90% da população com mais de 16 anos, começou uma lenta reabertura, em novembro, depois de um rigoroso confinamento.

A flexibilização das medidas fronteiriças visa a aliviar a escassez de trabalhadores, especialmente nos setores de mineração e agricultura.

A educação é também importante motor para o país, com as universidades a estimarem perdas decorrentes do fechamento da fronteira em US$ 2,8 bilhões, principalmente devido a uma queda no número de estudantes estrangeiros.

Cerca de 235 mil estrangeiros têm vistos de entrada no país, sendo 133 mil estudantes, de acordo com dados governamentais.

"Sentimos muito a falta da sua presença e não podíamos estar mais satisfeitos por recebê-los de volta a partir de hoje", disse a diretora executiva das Universidades da Austrália, Catriona Jackson, ao Canal 7.

A Austrália também lançou uma bolha de viagens sem quarentena com o Japão e a Coreia do Sul.

O país oceânico, com 25 milhões de habitantes, acumulou 231 mil contágios e cerca de 2.072 mortes desde o início da pandemia, números muito baixos em comparação com outros países de dimensão semelhante.

Intercâmbio
A Associação de Agências de Intercâmbio (Belta) ressalta, no entanto, que os intercambistas brasileiros ainda devem demorar para embarcar rumo ao país, já que não há uma previsão de quando serão retomados os serviços de emissão de vistos novos e de renovação dos documentos que tinham sido concedidos antes do início da pandemia.

Protestos
No centro da cidade de Melbourne, no estado de Vitória, mais de mil pessoas reuniram-se pacificamente no fim de semana com bandeiras australianas e cartazes contra a vacinação e as restrições para combater a covid-19, enquanto gritavam palavras de ordem como "o meu corpo, a minha escolha".

Melbourne, que em outubro se tornou a cidade do mundo com mais dias acumulados sob rigoroso confinamento, procura agora regressar à normalidade, com leis que penalizam quem optou por não se vacinar.