Chuvas provocam transtornos no Rio e Grande Rio Um sistema de alta pressão, segue jogando umidade para todo o estado Rio de Janeiro e ainda tem os ventos provocados pela atuação de um ciclone no oceano. Um reforço de umidade que vem dos ventos frios e úmidos do mar vai trazer mais chuva principalmente para a Região Metropolitana e para Angra dos Reis nesta quarta-feira (08).

A chuva que cai sobre o estado desde domingo (05), já causou vários transtornos aos moradores do Grande Rio, provocando alagamentos em pontos como: Duque de Caxias, Japeri, Nova Iguaçu e Itaguaí. Em alguns lugares a água chegou na altura do joelho.

A capital seguia em estágio de mobilização até as 07h por causa da previsão de chuva fraca a moderada ao longo do dia, acompanhada de rajadas de vento moderado, segundo o Alerta Rio.

“O sistema de baixa pressão também pode ser chamado de ciclone, mas não vai atuar diretamente na cidade”, explicou a meteorologista Juliana Hermsdorff, do Sistema Alerta Rio.

Serão sentidos apenas os efeitos desse sistema, que são muita nebulosidade e previsão de chuva a qualquer hora, acrescentou Juliana. Os ventos serão predominantemente moderados, de até 51,9 quilômetros por hora (km/h).

Com os registros de chuva moderada nas zonas norte e oeste, às 17h30 de ontem (07), o município entrou em estágio de mobilização, que é o segundo nível em uma escala de cinco e significa que há risco de ocorrências de alto impacto.

De acordo com a Meteorologia, o céu deve permanecer nublado com chuva até amanhã (09). O tempo começa a melhorar na sexta-feira (10), quando os termômetros vão assinalar a temperatura máxima de 30°C. No sábado (11), a máxima deve chegar a 33°C.

A chuva provocou a queda de uma árvore na esquina da Avenida Maracanã com a Rua Pereira Nunes, na zona norte. O tronco ficou escorado na estrutura de um prédio, mas ninguém ficou ferido. A Defesa Civil municipal e o Corpo de Bombeiros foram acionados.

Região dos Lagos
Atingidas por um temporal na madrugada de segunda-feira (6), as cidades de Cabo Frio, Araruama e São Pedro da Aldeia concentraram-se na limpeza de ruas e desobstrução de valas e bueiros.

Em São Pedro da Aldeia, a Defesa Civil, que está em estado de atenção, percorre os bairros afetados pelo temporal. Pontos de alagamento foram identificados em seis bairros. Não há registro de pessoas desalojadas ou desabrigadas na cidade. A Secretaria de Serviços Públicos atua nas localidades em que houve acúmulo de areia e lama, material que se deslocou de ruas mais altas com a força da água.

O pluviômetro da Estação Meteorológica da Universidade Federal Fluminense (UFF), localizado entre os municípios de São Pedro da Aldeia e Iguaba Grande, registrou 68 milímetros (mm) de precipitação pluviométrica nas últimas 24 horas. O coordenador da Defesa Civil, Ricardo de Lima, informou que o órgão permanece em estado de atenção, para prevenir situações que possam oferecer risco à população.

Em caso de emergência, a população deve ligar para o número da Defesa Civil: 199.