Conheça mais sobre a melatonina, hormônio do sono aprovado recentemente pela Anvisa como suplemento O uso da melatonina, conhecida como hormônio do sono, para a formulação de suplementos alimentares foi aprovado pela Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) recentemente para pessoas com 19 anos ou mais. Com a decisão, a melatonina fica disponível, sem receita, como suplemento alimentar e para o consumo diário máximo de 0,21 mg.

Essa já era uma realidade em diversos países, como os Estados Unidos.

Os suplementos de melatonina têm de conter a advertência de que não devem ser consumidos por gestantes, lactantes, crianças e pessoas envolvidas em atividades que requerem atenção constante.

Quem tem enfermidades ou usa medicamentos deve consultar o médico antes de consumir a substância. O uso inadequado da melatonina pode provocar dores de cabeça, confusão mental, tontura e náuseas.

A melatonina é um hormônio produzido naturalmente no cérebro e também é encontrada em pequenas quantidades em alimentos como o morango, o frango e cereja.

Não foram aprovadas alegações de benefícios associadas ao consumo de suplementos alimentares à base de melatonina. 

A aprovação da Diretoria Colegiada ocorreu por meio da alteração da Instrução Normativa (IN) 28/2018, que aprova a lista de constituintes autorizados para uso em suplementos alimentares.  

Também foram autorizados outros 40 novos constituintes de suplementos alimentares, incluindo: membrana de casca de ovo como fonte de ácido hialurônico, glicosaminoglicanos e colágeno, extrato de laranja moro (Citrus sinensis (L.) Osbeck)​ como fonte de antocianinas, extrato de rizomas de cúrcuma como fonte de curcumina,  um microrganismo isolado que pode auxiliar na resposta imune de idosos à vacina contra influenza e uma enzima protease que pode auxiliar na digestão do glúten.