Menina indiana é isolada pela família após se converter ao Evangelho

A jovem Tara, de 14 anos, é o retrato do sofrimento de crianças e adolescentes que vivem a dor de serem perseguidos por causa de sua fé. A adolescente nasceu na Índia, país majoritariamente hindu. Por lá, grupos ultranacionalistas pregam a “purificação” do país e a proibição de religiões “estrangeiras”. Uma realidade cada vez mais frequente.



Após se converter ao cristianismo, a jovem Tara – que não teve o seu verdadeiro nome revelado por questões de segurança – foi isolada pelos próprios familiares, como forma de punição pela escolha de se entregar a Jesus Cristo.



“Eu moro na mesma casa que minha família e há 15 cômodos na casa. Mas pelo fato de eu ter escolhido acreditar em Jesus, recebi um pequeno quarto separado do resto da casa. Ninguém vai até o meu quarto e ninguém me toca nem olha para mim”, disse a menina, segundo informações da organização internacional Portas Abertas.



Os familiares de Tara marginalizaram a jovem dentro da própria casa, de forma que nada do que ela faz é compartilhado entre eles. Até mesmo suas necessidades pessoais de sustento ela precisa providenciar, além dos seus estudos.



“Estou no 10º ano e ninguém da minha família me ajuda a pagar as mensalidades escolares. Eu faço trabalhos braçais nas férias para pagar a escola e comprar comida”, disse a jovem.



Mesmo sob grande perseguição religiosa e abandono afetivo, a jovem Tara disse que a sua fé em Jesus Cristo permanece firme e não será abandonada.



Em meio aos milhares de ídolos hindus, a adolescente sabe que só há um Deus Criador, digno de toda honra, glória e louvor.



“Eu sei que Jesus é o Deus verdadeiro. Nunca vou substituí-lo por outra coisa. Nada se compara à paz que eu recebi nele”, conclui ela.



A discriminação é muito comum na Índia e está baseada no antigo sistema de castas. Isso afeta os cristãos em todo o país, porque a maioria dos convertidos ao cristianismo vem das castas inferiores ou do grupo dos dalits.