Preço médio do metro quadrado de imóveis no Rio está em queda O preço médio do metro quadrado de imóveis residenciais vendidos no Rio de Janeiro está em queda constante desde o início do ano, segundo estudo inédito do QuintoAndar, plataforma de moradia da América Latina. Divulgado nessa segunda-feira (01), o Relatório de Compra e Venda Quinto Andar aponta queda acumulada de 8,15% nos valores efetivamente usados em contrato no Rio entre janeiro e setembro.

O resultado vai na contramão do que tem ocorrido com os valores médios do metro quadrado de aluguel na cidade que, entre janeiro e setembro, já subiram 3,24%, segundo o Índice Quinto Andar de Aluguel. Para compra e venda, o preço médio do m² no Rio fechou o os últimos três meses do ano em R﹩ 5.334, contra R﹩ 5.807 no início de 2021 e R﹩ 5.682 entre abril e junho. Em comparação, os preços em São Paulo acumulam a queda, entre janeiro e setembro, caíram 1,52% no caso do aluguel e em compra e venda os preços subiram no segundo trimestre e caíram no terceiro para o patamar atual de R﹩ 7.034 o metro quadrado.

O relatório também apresenta informações específicas sobre os bairros da capital fluminense. Entre eles, os que aparecem com maior valor por m² para compra no terceiro trimestre são Copacabana, Jacarepaguá e Recreio. Engenho Novo, Méier e Vila Isabel, por sua vez, apresentaram os preços mais em conta no período.

A evolução dos preços de compra nos bairros ao longo do ano indica que Jacarepaguá, Recreio e Vila Isabel foram os que mais se valorizaram em 2021, com altas de R﹩5373 para R﹩8010, de R﹩6474 para R﹩6481 e de R﹩5375 para R﹩6998, respectivamente. Na ponta contrária, Copacabana, os preços anunciados saem de R﹩12174 para R﹩8000, enquanto na Tijuca, vão de R﹩6500 para R﹩4803 e vão de R﹩4826 para R﹩4333 na Pechincha.

"Desde o ano passado, por causa da pandemia, a gente vê uma maior procura por imóveis maiores e mais afastados, já que muita gente passou a trabalhar de casa, e por opções mais baratas, porque as pessoas perderam renda. Isso pode explicar essa valorização, pois o Recreio tem imóveis maiores e Freguesia e Pechincha são bairros mais em conta", diz José Osse, Head de Comunicações e Dados do Quinto Andar.

Tijuca, Recreio, Copacabana e Barra da Tijuca encabeçaram a lista de mais procurados para compra em todos os trimestres do ano no Rio de Janeiro. Os bairros se revezaram como os mais buscados ao longo do ano.

Desconto
Os valores dos anúncios dificilmente são os mesmos dos usados em contrato, pois invariavelmente há alguma negociação entre comprador e vendedor. O levantamento do Quinto Andar mostra que do início do ano até setembro, houve aumento de 10% no tamanho dos descontos efetivamente dados sobre os valores de anúncio nos imóveis do Rio.

O resultado do Rio destoa do que o Quinto Andar levantou em outras capitais. Em Belo Horizonte, o tamanho dos descontos aumentou menos de 1% no ano (0,97%) enquanto em São Paulo, a diferença entre os valores de anúncio e de contrato na verdade diminuiu 4,46%.