Brasil tem boas chances no Parapan A meta do Comitê Paralímpico Brasileiro para o Parapan de Lima, que começaram na sexta-feira (23) é alcançar o topo pela quarta vez seguida. Para isso, aposta em destaques como o nadador Daniel Dias e o velocista Petrúcio Ferreira.

Dono de 27 medalhas na competição, Daniel vai disputar sete provas, sendo cinco individuais e duas de revezamento. Já Petrúcio, homem mais rápido da história nos 100m da classe T47 (para amputados de braço), vai tentar o ouro também nos 400m, prova em que não é especialista.

Pela primeira vez nos Jogos, o curitibano Vitor Tavares, de 20 anos, representará o Brasil no parabadminton, uma das três modalidades que estreiam em Lima — as outras são parataekwondo e o tiro esportivo.

“O esporte transformou a minha vida de muitas formas”, diz Vitor, que compete pela classe SS6, para pessoas com baixa estatura. “Na minha primeira competição nacional, fui campeão. Hoje, levo o esporte a sério, como uma profissão”.

O bicampeão mundial de goalball, Leomon Moreno, foi o atleta escolhido para carregar a bandeira brasileira na cerimônia de abertura do Parapan.

Quando ainda era bebê, Leomon perdeu sua visão por conta de uma retinose pigmentar. O jovem do Distrito Federal conheceu a modalidade por meio dos irmãos, que possuem a mesma doença e já praticavam o esporte.

Ao contrário de outras modalidades paralímpicas, o goalball foi desenvolvido exclusivamente para pessoas com deficiência visual.