General venezuelano que acusa Lula de ter recebido dinheiro do narcotráfico pode ser extraditado A Suprema Corte da Espanha disse, nesta quarta-feira (20), que concordou em extraditar o ex-chefe da espionagem venezuelano Hugo Armando Carvajal para os Estados Unidos, onde ele enfrenta acusações de tráfico de drogas. A Espanha negou asilo ao político.

Carvajal, que era general e aliado próximo do falecido líder venezuelano Hugo Chávez, foi detido pela polícia espanhola no mês passado.

As autoridades dos EUA acreditam que Carvajal poderia fornecer informações importantes sobre as supostas atividades de tráfico de drogas de Nicolás Maduro e de pessoas próximas ao presidente venezuelano.

Conhecido como "El Pollo", Carvajal enviou uma carta de sete páginas ao juiz espanhol Manuel García-Castellón em que relata detalhes de um esquema de financiamento de partidos de esquerda na América Latina e na Europa pelos governos de Hugo Chávez e de Nicolás Maduro. Entre os beneficiados estaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As informações foram divulgadas pelo site espanhol Okdiario nesta semana.

"O governo venezuelano financia ilegalmente movimentos políticos de esquerda no mundo há pelo menos 15 anos, incluindo o financiamento da criação do partido político espanhol Podemos", diz Carvajal. "Enquanto eu era diretor de Inteligência Militar e Contrainteligência da Venezuela, recebi muitos relatórios que mostravam que esse financiamento internacional estava acontecendo."