Apple derruba aplicativo da Bíblia na China A Apple confirmou à BBC que foi obrigada a tirar do ar, na App Store da China, um aplicativo do Alcorão e outro da Bíblia. De acordo com a empresa, as autoridades do país alegaram que os apps incluem conteúdos ilegais.

"Somos obrigados a cumprir as leis locais e, às vezes, há questões complexas sobre as quais podemos discordar de governos e outras partes interessadas no caminho certo a seguir", disse ao portal.

No Google Play, o Quran Majeed tem mais de cinco milhões de downloads, enquanto o Bible App by Olive Tree tem pouco mais de um milhão.

Existem hoje cerca de 80 milhões de cristãos na China. Mas eles não têm liberdade para adorar a Deus, tampouco para estudar sua Palavra.

A China é uma das 14 nações classificadas como “países particularmente preocupantes” pela USCIRF, entidade bipartidária e independente, ligada ao governo federal dos Estados Unidos e criada para monitorar violações da liberdade religiosa pelo mundo. Os outros países são Myanmar, Eritreia, Índia, Irã, Nigéria, Coreia do Norte, Paquistão, Rússia, Arábia Saudita, Síria, Tajiquistão, Vietnã e Turcomenistão.