Justiça condena militares envolvidos na morte de músico e catador de latinhas Oito militares do Exército foram condenados, no início da madrugada desta quinta-feira (14), por matar o músico Evaldo Rosa e o catador de latinhas Luciano Macedo, em 2019, em Guadalupe, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Por 3 votos a 2, a Justiça Militar considerou eles culpados por duplo homicídio e tentativa de homicídio. A defesa informou que vai recorrer e os réus respondem em liberdade até que se esgotem os recursos.

Ítalo Nunes, que chefiava a ação, foi condenado a 31 anos e 6 meses; outros sete militares receberam pena de 28 anos.

Os condenados são Fabio Henrique Souza Braz da Silva, Gabriel Christian Honorato, Gabriel da Silva de Barros Lins, Ítalo da Silva Nunes Romualdo, João Lucas da Costa Gonçalo, Leonardo de Oliveira de Souza, Marlon Conceição da Silva e Matheus Santanna Claudino.

A promotora Najla Nassif Palma afirmou que ficou comprovado que quatro dos 12 réus não atiraram e pediu a absolvição dos mesmos: o cabo Paulo Henrique Araújo Leite e os soldados Vitor Borges de Oliveira, Wilian Patrick Pinto Nascimento e Leonardo Delfino Costa.

Dia do crime
Evaldo seguia com a família para um chá de bebê, quando desobedeceu a ordem dos militares para parar o carro e teve o veículo fuzilado por 62 tiros. Ele morreu na hora. Luciano tentou ajudar e também foi atingido; ele morreu no hospital, 11 dias depois.