Efeito Zoom: excesso de videochamadas aumenta busca por procedimentos estéticos O aumento no número de reuniões através de videochamadas no último ano, fez as pessoas olharem muito mais para o próprio rosto de forma bastante crítica, levando-as a perceber detalhes que antes não incomodavam tanto.

Esse fenômeno vem sendo chamado de 'Efeito Zoom' em referência ao aplicativo de videochamadas e é definido pelo anseio por mudanças estéticas que melhoram a aparência do rosto, impulsionado pelo grande volume de reuniões virtuais.

Victor Cutait, cirurgião plástico há mais de 20 anos e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), analisa a tendência e faz um alerta baseado em muitos casos que chegam a seu consultório: a influência das redes sociais.

Dr. Victor Cutait, como e quando o senhor passou a identificar essa tendência?
A movimentação em minha clínica estética, em São Paulo, aumentou vertiginosamente desde o início do isolamento, especialmente a busca por procedimentos para melhorar a aparência do rosto e sinais de envelhecimento, tais como preenchimento e botox, rinoplastia e levantamento de pálpebras, colocação de próteses de silicone nos seios e lipoaspiração.
A busca pelo termo “rinoplastia” e pelo preço do procedimento, por exemplo, teve aumento repentino nas plataformas de pesquisa do Google desde março do ano passado, mês em que as pessoas passaram a trabalhar de suas casas devido à pandemia.

De que forma a pandemia contribuiu para esta maior cobrança das pessoas com relação à própria aparência?
A vida das pessoas foi modificada em muitos âmbitos com o isolamento social, inclusive na forma com que elas se sentem em relação a si mesmas. O uso intensificado de plataformas de videochamadas aliado à ansiedade e ao estresse, influenciou, e muito, na busca por procedimentos estéticos.
Outro fator para o aumento do interesse por cirurgias plásticas neste momento é a facilitação do período de recuperação devido ao trabalho remoto. Isso ainda possibilita pouco contato direto com o sol, um grande inimigo na recuperação da pele - já que pode aumentar o inchaço.

Nesta corrida pela boa aparência, quais os outros procedimentos mais procurados nesse período de pandemia?
A toxina botulínica, preenchimento e harmonização facial, como também pequenas remoções de excesso de pele na região dos olhos e até mesmo a limpeza de pele são procedimentos que também tiveram um aumento considerável durante a pandemia. Ainda de acordo com o site de buscas, o índice de procura por harmonização facial, por exemplo, aumentou 250% nos últimos meses. Da mesma forma, subiu 80% o interesse por botox no rosto no mesmo período.
Todos esses procedimentos ajudam na autoestima e fazem com que as pessoas até mesmo atuem melhor no trabalho e em suas relações interpessoais. Quando estamos confortáveis e seguros em nossa própria pele a vida, como um todo, tende a ser mais agradável.

Mas essa busca pela aparência “ideal” não pode trazer alguns riscos?
Realmente é preciso estar alerta à influência das redes sociais que, durante a quarentena, se tornou um meio simples de entretenimento.
O Instagram sempre foi utilizado como ferramenta para ostentar uma vida de faz de conta onde são publicadas imagens de corpos exuberantes, mas com ajuda de filtros que mostram uma falsa perfeição. Estas ferramentas estão distorcendo a maneira como as pessoas veem seus corpos e rostos, acentuando problemas de autoestima e resultando em transtornos de imagem.

Parece que o chamado efeito zoom não é coisa só de brasileiro, não é?
Exatamente. Ele é uma tendência mundial. Nos Estados Unidos, por exemplo, houve um boom de cirurgias plásticas nos últimos meses.
De acordo com pesquisa realizada pela Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS) com mais de mil mulheres, 11% delas, que nunca fizeram cirurgia estética, disseram que estavam mais interessadas nos procedimentos atualmente, comparando ao período antes da pandemia.
Além disso, levantamento divulgado pela Sociedade de Dermatologia Feminina daquele país, revelou que 85% dos entrevistados citaram a videochamada como, pelo menos, um dos motivos pelos quais os pacientes estavam interessados em realizar procedimentos estéticos.