Governador de Pernambuco impõe passaporte da vacina em igrejas

O certificado da vacina, estabelecido por algumas cidades do Brasil e do exterior como passaporte para entrada em locais de uso coletivo, agora é obrigatório também em templos religiosos de Pernambuco. O governador de Pernambuco Paulo Câmara (PSB) fez circular uma edição extra do Diário Oficial, nesta segunda-feira (27), com novas regras de convivência da covid-19. Entre elas está a exigência de vacinação completa ou teste negativo do novo coronavírus para as pessoas que frequentam igrejas ou outros templos religiosos. 

A exigência ainda será regulamentada em portaria de André Longo, secretário estadual de Saúde, e Geraldo Júlio (PSB), secretário de Desenvolvimento Econômico, mas já foi autorizada a cobrança pelo governador.

De acordo com o decreto, os dois secretários vão disciplinar "a exigência da apresentação dos comprovantes do esquema vacinal completo e/ou dos resultados negativos dos testes para a Covid 19".

Segundo o texto, uma dose não basta para o fiel entrar na igreja. A exigência será feita apenas nas igrejas com mais de 300 lugares, o que atinge grande parte dos templos evangélicas do Recife. 

“Celebrações religiosas com mais de 300 (trezentas) pessoas devem observar os limites de capacidade do ambiente e número máximo de pessoas estabelecidos em Portaria Conjunta da Secretaria de Saúde e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, que também disciplinará a exigência da apresentação dos comprovantes do esquema vacinal completo e/ou dos resultados negativos dos testes para a Covid 19”, diz o texto.

Bancada religiosa critica decreto

O decreto foi alvo de muitas críticas por parte dos políticos ligados ao segmento religioso. Foi o caso da deputada estadual Clarissa Tércio (PSC). “O governador de Pernambuco acaba de comprar mais uma briga com os cristãos, decretando a exigência de comprovantes de vacinas aos frequentadores dos cultos. Quem ainda não tomou a vacina, fica proibido de cultuar! Acorda, Igreja!”, afirmou a parlamentar, nas redes sociais.

Quem também se posicionou de forma contrária foi o deputado estadual Pastor Cleiton Collins (PP). “Quero deixar aqui bem claro que eu sou contra esse decreto que determina que as igrejas, que os eventos tenham que ter o passaporte sanitário. Isso é inviável, até porque a maioria da população mundial já está vacinada pelo menos com a primeira dose”, declarou. 

“O povo está voltando para as igrejas com todos os cuidados, uso de máscara, isso não muda. Agora exigir passaporte sanitário eu sou contra e temos que ir agora junto ao governo do estado para que ele mude esse decreto", acrescentou o deputado.


Siga-nos