Facebook bane cristãos, mas permite traficantes sexuais na plataforma, diz crítico de entretenimento Embora o Facebook seja conhecido por reprimir contas vinculadas a cristãos e indivíduos e grupos politicamente conservadores, a plataforma está fazendo pouco para impedir organizações criminosas que a usam para lucrar com o tráfico sexual, disse o crítico de entretenimento Ted Baehr.

A conexão entre o tráfico de pessoas e os cartéis de drogas nas redes sociais é um problema “gigantesco”, disse Baehr ao CBN News.

“Fui um dos membros fundadores do conselho da Coalizão Nacional de Exploração Sexual. É um problema cada vez maior, especialmente quando falamos sobre a repressão aos sites conservadores ou cristãos ”, disse ele. “Porque eles dizem no Facebook que o custo de fazer negócios na África e no Oriente Médio está permitindo que todas essas empresas diferentes o utilizem. Esses negócios são escravidão sexual. Essas empresas estão traficando."

Funcionários do Facebook enviaram vários alertas a seus chefes para informar sobre traficantes de seres humanos no Oriente Médio e grupos armados na Etiópia que estão usando a plataforma para tráfico sexual e incitação à violência contra minorias étnicas, de acordo com documentos internos divulgados pelo The Wall Street Journal em um relatório de investigação.  

O Facebook foi informado de que um cartel mexicano de drogas estava usando a plataforma para recrutar, treinar e pagar pistoleiros, mas a empresa não impediu o cartel de postar no Facebook ou Instagram, mostram os documentos.

Para o Facebook, o dano nos países em desenvolvimento é “simplesmente o custo de fazer negócios”, disse ao Journal Brian Boland, ex-vice-presidente do Facebook que supervisionou parcerias com provedores de internet na África e Ásia antes de renunciar no ano passado.

Os esforços de segurança do Facebook estão focados em mercados mais ricos com governos e instituições de mídia poderosos, acrescentou ele, observando que mais de 90% dos usuários mensais agora estão fora dos Estados Unidos e Canadá.

Nos EUA, o Facebook e outras plataformas de mídia social usam a Seção 230 do Communications Decency Act dos EUA para se protegerem de ações judiciais sobre o que os usuários postam online. Uma das cláusulas da Seção 230 afirma que o que os usuários dizem ou escrevem online não é semelhante a um editor transmitindo a mesma mensagem. No entanto, a mesma cláusula que protege as plataformas online de responsabilidades é frequentemente usada para banir pontos de vista conservadores.

Em 2018, o Facebook restringiu a campanha da candidata republicana ao Congresso, Elizabeth Heng, de colocar um anúncio em vídeo, considerando-o muito "chocante, desrespeitoso ou sensacionalista" porque apresentava seus pais imigrantes americanos que sobreviveram às brutalidades dos comunistas do Khmer Vermelho durante a Guerra Civil no Camboja.

Em 2017, uma mãe cristã disse que o Facebook censurou sua página, que foi suspensa por postagens sobre o que a Bíblia diz sobre homossexualidade e pecado.

Siga-nos