Frente Parlamentar Evangélica diz que STF atenta contra liberdade religiosa A Frente Parlamentar Evangélica divulgou na tarde desta sexta-feira (24) uma nota de repúdio ao ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, que ontem determinou a proibição de missionários em aldeias indígenas isoladas.

Segundo Barroso, o momento de pandemia exige um cuidado maior com os povos isolados, já que eles são mais suscetíveis a sofrerem de doenças graves trazidas por pessoas de fora. O ministro determinou que a União monte barreiras sanitárias para proteger as populações que vivem em comunidades isoladas. O magistrado proibiu, temporariamente, a ida de grupos missionários religiosos a esses locais.

De acordo com a nota da frente parlamentar, a decisão de Barroso, ainda que tenha o princípio de resguardar os povos do contágio da Covid-19, é uma afronta à “liberdade religiosa e à separação de poderes”. O documento lembra da atuação histórica de denominações evangélicas junto a povos indígenas, sobretudo na Amazônia, com a anuência da Funai.

“Sendo assim, a decisão do Ministro Barroso consiste em verdadeira perseguição e uma tentativa de impedimento das atividades missionárias junto aos povos indígenas do Brasil justamente em um momento em que precisam de apoio, como o da atual pandemia de Covid-19”, afirma a frente.

O grupo classificou a decisão como “anticristã” e “antidemocrática” e disse que ela foi tomada pelo ministro com o “simples intuito de promover acintosamente uma perseguição ideológica e religiosa aos missionários cristãos”.

Siga-nos