Padre recusa faxineira e alega que cão da igreja é racista

Uma faxineira teve sua contratação negada por uma padre por um motivo bastante inusitado: o cão da igreja é racista. Esta afirmação foi feita pelo padre Jacek Kowal da paróquia da Encarnação, em Collierville (Tennessee, EUA), é racista.



A controvérsia começou quando a faxineira Emily Weaver decidiu largar o emprego na igreja e indicou uma amiga para fazer o serviço. Só que, ao aparecer com LaShundra Allen no templo, Emily recebeu um "não" do padre.



"Lamento, não quero ser grosseiro, mas o cão não gosta de negros", disse o religioso, segundo Emily.



O cão é o pastor negro Cesar. Kowal afirmou que, quando ele era filhote, sofreu um trauma com um estranho, que era negro, conforme noticiado pela Fox.



As amigas decidiram levar o caso para a Justiça.



Em nota oficial, o bispo David Talley afirmou que "Cesar fica agitado com estranhos de pele escura". Com o convívio, o comportamento do cão melhora.



O advogado das faxineiras argumenta que sequer foi dada a LaShundra a oportunidade de contato com o animal.