Marketing agressivo: Uma agência funerária dos Estados Unidos lançou uma nova campanha publicitária em favor da vacinação contra a Covid-19, num momento em que a vacinação atingiu um ponto de estagnação no país que tem atualmente quase duas mil mortes diárias causadas pela doença.

Os vários carros da Casa Funerária Wilmore, na cidade de Charlotte, circulam pelas ruas com a mensagem "Não se vacinem". Mostrando que a morte é lucrativa para o seu negócio. Mas na verdade trata-se de uma estratégia de marketing que inclui a campanha também no website da empresa, com uma conexão com um centro de agendamento de vacinação, onde se pode ler: "Vacinem-se agora, senão, nos veremos em breve".

Para o lançamento da campanha, a agência Funerária Wilmore contratou uma empresa de marketing, que decidiu optar por uma estratégia diferente, apelando à responsabilidade social. A publicidade ficou a cargo da Boone Oakley, que aproveitou para divulgar uma mensagem importante.

"Parece que a publicidade normal não está funcionando. As mensagens normais que dizem 'vacinem-se' já são muito comuns", informou o diretor da empresa publicitária.

David Oakley explica que a agência publicitária pretendia fazer algo junto às pessoas que relutam em tomar a vacina e, por isso, decidiu ter uma abordagem "chocante".

Os EUA já aplicaram mais de 387 milhões de doses da vacina contra Covid-19. Cerca de 185 milhões de pessoas estão com o esquema vacinal completo. Ou seja, 55,5% da população está totalmente imunizada.