Igreja no Brasil vai receber refugiados do Afeganistão O drama de refugiados afegãos tem comovido pessoas por todo o mundo. Aqui no Brasil, a Igreja Presbiteriana de Curitiba vai receber, até o final deste ano, 92 refugiados do Afeganistão. De acordo com o reverendo Luiz Renato Maia, são dez famílias que sofreram perseguição religiosa após a ascensão do Talibã ao poder.

"São cristãos perseguidos, ex-muçulmanos convertidos, que foram obrigados a se retirarem às pressas do país", afirmou o reverendo ao G1.

Segundo Maia, as famílias estão em países vizinhos do Afeganistão regularizando documentos para poderem vir para o Brasil.

Assim que chegarem a Curitiba e região, as famílias passarão quatro meses recebendo auxílio da igreja, com moradia, roupas, aulas de português e orientação para emissão de documentos.

Depois deste período, elas poderão ser encaminhadas para outras cidades do Brasil.

"Daí elas recebem mais um ano de apoio, com orientação para inserção no mercado de trabalho", disse.

A igreja já recebeu iraquianos e sírios em outras situações. Segundo o reverendo, são pessoas que chegaram apenas com a roupa do corpo.

O apoio é possível graças às doações de roupas, calçados e produtos de higiene que chegam à sede da igreja, na rua Comendador Araújo, 343, no Centro de Curitiba.

Crise humanitária
A ONU (Organização das Nações Unidas) reforçou que os países devem acolher os imigrantes, mas muitas passagens estão fechadas e a quantidade de refugiados tende a aumentar.

Isso porque o aeroporto de Cabul, por onde os afegãos saíam, foi fechado após a saída do último militar americano, encerrando a ocupação de 20 anos.

Apesar do Talibã ter negado, há relatos de perseguições a afegãos que ajudaram tropas ocidentais e que não conseguiram sair do Afeganistão. Agressões a mulheres também estariam acontecendo, principalmente em áreas fora da capital, Cabul.

Os últimos dias foram marcados por caos e violência, com um atentado suicida que matou mais de 170 pessoas, incluindo 13 militares americanos.