Carlos Bolsonaro quer proibir trans em competições do gênero biológico oposto O vereador Carlos Bolsonaro apresentou nesta semana na Câmara Municipal do Rio de Janeiro um Projeto de Lei para impedir a participação de atletas trans em competições esportivas de categorias opostas ao gênero biológico. Ou seja, mesmo que um homem passe pelo tratamento de mudança de sexo, e se identifique como uma mulher, ele terá que competir em um time masculino. O mesmo valerá para mulheres que sejam transformadas em homens.

A proposta, que valeria apenas para a capital, não tem qualquer prazo para entrar em discussão e pede que organizadores de eventos esportivos da cidade assinem o termo de declaração para garantir que não aceitariam competidores trans. Aqueles que não cumprirem o que está imposto no projeto pagariam uma multa de R$ 10 mil e poderiam ter a revogação da licença do torneio imposto.

O texto diz ainda que qualquer instituição que receba apoio financeiro do município ficaria proibida de inscrever atletas trans nas competições.

O PL entregue por Carlos Bolsonaro cita a jogadora de vôlei Tifanny Abreu e diz que busca evitar a criação de uma geração de “meninas e mulheres frustradas e ejetadas do campo esportivo”.

O vereador falou sobre o feito nas redes sociais.

“Protocolado o PL 680/21 que impede a participação de atleta “transexual” em competições do sexo biológico oposto ao seu, realizados no Rio de Janeiro. O objetivo é defender as mulheres de homens que usam propositalmente vantagens biológicas para humilhar o sexo oposto”, disse.

Siga-nos