Apresentação da Orquestra Sinfônica Jovem do Rio sensibiliza população sobre doação de órgãos Centenas de pessoas que passaram em frente ao Theatro Municipal, nessa quarta-feira (15) na hora do almoço, no Centro do Rio de Janeiro, puderam acompanhar a apresentação da Orquestra Sinfônica Jovem do Estado (OSJRJ). O concerto foi realizado pela Secretaria de Estado de Saúde, por meio do Programa Estadual de Transplante (PET, nas escadarias do teatro, para tocar o maior número de corações possíveis sobre a importância da doação de órgãos.

A ação integra o Setembro Verde, mês escolhido para reforçar a necessidade de doação de órgãos e quando a SES e o PET estão promovendo eventos que fortaleçam a mensagem junto à população. O primeiro ato foi iluminar o Cristo Redentor. No dia 2, o principal símbolo do país foi colorido de verde. Depois, foi a vez do Palácio Tiradentes, antiga sede da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, e a Câmara dos Vereadores. No dia 27, será celebrado o Dia Nacional da Doação de Órgãos.

PET é referência na captação de órgãos no Brasil

Criado em 2010, o Programa Estadual de Transplantes (PET) realiza a captação de coração, fígado, rim, pâncreas, pulmão, pele, córnea, etc. Em 11 anos, o programa foi responsável pela renovação da vida de mais de 6.900 pessoas por meio de transplantes de órgãos sólidos (categoria que engloba os transplantes de fígado, pulmão, intestino, rim, pâncreas e coração) e recuperou a saúde de inúmeros pacientes com transplantes de ossos, ligamentos e pele.

Em 2020, 1074 transplantes foram efetuados, sendo 376 córneas e 698 de órgãos sólidos, sendo 22 de coração; 270 de fígado; 384 de rins; além de um transplante simultâneo de coração e rim; 10 de rim e fígado; e 12 de rim e pâncreas. O Estado do Rio ocupa o 3º lugar em número absoluto de doadores no ranking do Sistema Nacional de Transplantes (SNT).

De janeiro a julho de 2021, foram realizados 748 transplantes de órgãos, sendo 346 córneas transplantadas, 14 corações transplantados, 157 fígados, 220 rins; além de 9 cirurgias simultâneas de rins e pâncreas, 1 simultânea rim e coração, 2 simultâneas rim e fígado, 1 transplante triplo de rim, fígado e coração e uma multivisceral (fígado, pâncreas e intestino transplantados simultaneamente) e um transplante paratireóide.

Depois de 15 anos o estado do Rio de Janeiro voltou a realizar transplante de pulmão. A Secretaria de Estado de Saúde habilitou a equipe do Instituto Nacional de Cardiologia para a cirurgia, possibilitando que o Rio de Janeiro passasse a ser o terceiro estado do país a realizar esse tipo de transplante.

A OSJRJ
A Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro (OSJRJ) é formada por 55 jovens de 15 a 26 anos. A maioria deles é morador de comunidades carentes do Rio de Janeiro e alguns em situação de vulnerabilidade social. Por meio da música, podem renascer e superar as condições em que vivem, transformando o futuro.