Muçulmanos armados abrem fogo contra igreja e casas de cristãos no Paquistão

Um grupo de muçulmanos fortemente armados atirou indiscriminadamente contra uma igreja e casas de cristãos, ferindo pelo menos quatro pessoas, incluindo uma mulher grávida de seis meses, na cidade de Lahore, no Paquistão, segundo um relatório.

O tiroteio ocorreu na localidade de Shamsabad na área de Sherakot, na cidade de Lahore, província de Punjab, em 6 de setembro, informou o Morning Star News.

Asif Masih, um dos cristãos feridos, foi citado como tendo dito que ouviu gritos seguidos de rajadas de tiros depois que ele voltou do trabalho para casa naquela tarde.

Os pistoleiros o viram olhando e abriram fogo contra ele, ferindo-o nas duas pernas.

Os pistoleiros também feriram três mulheres, identificadas como Nirma Bibi, Maria Kashif e Samina.

Embora os moradores da área tenham chamado a polícia às 14h30, os policiais só chegaram às 20h, disse Masih.

De acordo com o Morning Star News, dois dos atiradores foram identificados como Dilshad Dogar e Chand Khencha, que disparou centenas de balas de rifles Kalashnikov (AK-47) e outras armas.

A denúncia da polícia afirma que o disparo surgiu de uma disputa entre um cristão, Asghar Masih e Dogar.

Muhammad Azeem, o encarregado da Delegacia de Polícia de Sherakot, foi citado como tendo dito que três homens foram presos e batidas estavam sendo conduzidas para prender o outro acusado, mas ele se recusou a responder a perguntas sobre o atraso.

Estima-se que 1,6% dos 17 milhões de paquistaneses são cristãos, católicos e protestantes. Cerca de 97% dos paquistaneses são muçulmanos, predominantemente sunitas.

O grupo de vigilância da perseguição internacional Portas Abertas, dos EUA, classifica o Paquistão em 5º lugar em sua lista 2021 de países onde os cristãos enfrentam a perseguição mais severa devido a um nível “extremo” de opressão islâmica. O Paquistão também é  listado  pelo Departamento de Estado dos EUA como um “país de preocupação particular” por tolerar ou se envolver em violações flagrantes da liberdade religiosa.



(Imagem meramente ilustrativa)


Siga-nos