Jovem que perdeu as pernas após mãe tentar aborto, hoje é campeão de natação

Ernie Gawilan, de 30 anos,  ganhou fama depois de competir nas Paralimpíadas de 2016 e se tornar o primeiro medalhista de ouro filipino nos Jogos Paralímpicos  Asiáticos de 2018. Agora, ele está nas Paralimpíadas de Tóquio e terá a honra de ser o porta-bandeira de seu país na cerimônia de encerramento. Mas a primeira vitória de Ernie veio em 1991, quando ele sobreviveu a uma tentativa de aborto que o deixou sem pernas e um braço esquerdo subdesenvolvido.

“Devo ter sido um bom nadador mesmo no ventre da minha mãe porque sobrevivi ao aborto. Eu simplesmente nadei ”, brincou Ernie durante uma entrevista de 2014.

Segundo a imprensa filipina, a mãe de Ernie tentou fazer um aborto para esconder sua gravidez. Ele sobreviveu - embora seus problemas ainda não tivessem acabado. De acordo com o site SPIN.ph, seu pai o abandonou e, quando ele tinha apenas 5 meses, sua mãe morreu de cólera.

Mas sua história não termina aí. Os avós de Ernie o acolheram. Crescer não foi fácil e ele suportou bullying por causa de sua aparência,  relatou o Jornal Manila. Sua vida mudou quando um empresário o notou - e convenceu seu avô a mandá-lo para um centro para jovens com deficiência na cidade de Davao quando ele tinha 9 anos.

Foi lá que Ernie abraçou uma nova família: as Irmãs Maryknoll de São Domingos no Centro de Treinamento Nossa Senhora da Vitória. Em 2000, Ernie mudou-se para a Ilha Samal para trabalhar para as freiras.

Foi quando ele descobriu seu amor pela água.

“Quando estou na água minha deficiência física não era visível”, explica. “Eu pareço uma pessoa normal.”

Novamente, alguém o notou. Um treinador de natação, Jude Corpuz, viu o desejo de Ernie de nadar e o convidou para se juntar à sua equipe de natação para pessoas com deficiência.

Em 2008, Ernie participou de sua primeira competição de natação no Festival Olímpico das Filipinas de 2008. Mas ele quase foi expulso depois de esquecer o calção de banho. Ele implorou às autoridades que o deixassem competir com suas calças cargo mais pesadas - algo que o deixou em desvantagem. Mesmo assim, ele terminou em segundo lugar e chamou a atenção do vencedor, Arnel Aba, que levou Ernie à Manila para ingressar na seleção nacional.

A carreira de Ernie decolou e ele competiu em todo o mundo, incluindo na Indonésia, Malásia, Cingapura, Mianmar, Índia, Japão, Nova Zelândia e Itália, relatou o SPIN.ph. Ele voltou para casa com mais de uma dúzia de medalhas internacionais.

Em um filme de cinco minutos lançado em  2017 chamado “Gawilan” , Ernie revelou sua paixão pela natação e sua confiança no amor e apoio de sua família e treinadores para dar o melhor de si - e superar os valentões.

“Há um propósito para nós neste mundo”, enfatizou. “Precisamos ser lutadores na vida.”

Embora ele não tenha mencionado verbalmente o papel de Deus em sua vida, a câmera o capturou orando. Ele também é aberto sobre sua fé em entrevistas na mídia e nas redes sociais.

Durante o treinamento para as Paralimpíadas de 2016, ele deu crédito a Deus por sua recuperação depois de adoecer.

“No mês passado fiquei doente, senhor, mas consegui voltar por causa da minha fé em Deus. Sem Ele eu não posso fazer isso, eu confiar em tudo nele “, disse.

No Facebook, ele  compartilhou versículos da Bíblia e  escreve mensagens como “Deus é a chave”. E, em uma postagem de 2019 no Instagram, o paratleta agradeceu à aluna do 7º ano, Rose Charlize Bustos, uma colega de equipe, por escrever um artigo sobre sua fé. Nele, ela compartilhou sua admiração por Ernie, ou “Kuya Ernie”, como “o chamamos em nosso clube de natação”.

“Eu não me importava com Deus antes”, disse ela, citando Ernie. “Eu o culpei pelo que me tornei.”

Sua jovem amiga Rose concluiu: “Na verdade, Deus nunca o abandonou”. Em vez disso, "Ele deu a ele a vida que Kuya Ernie nunca imaginou."



*Lifenews