Três xícaras de café por dia podem reduzir o risco de derrame e doenças cardíacas, diz estudo

Beber até três xícaras de café por dia pode reduzir o risco de derrame e doenças cardíacas fatais, de acordo com o maior estudo já feito sobre o efeito da popular bebida na saúde.

Os participantes do estudo foram divididos em três grupos com base na ingestão de café. Nenhum café foi consumido por 22%, leve a moderado (meia xícara a três xícaras por dia) por 58% e alto (mais de três xícaras por dia) por 20%.

Os resultados concluíram que beber entre meia xícara e três xícaras de café por dia pode reduzir drasticamente o risco de morrer de ataque cardíaco ou derrame.

As novas pesquisas foram apresentadas na última sexta-feira (27) na reunião anual da Sociedade Europeia de Cardiologia. Elas se somam à já longa lista de benefícios à saúde associados ao consumo rotineiro de café .

A conexão entre café e doenças cardíacas

Os pesquisadores descobriram que os participantes sem histórico de doenças cardíacas também tinham menos probabilidade de sofrer morte precoce por qualquer causa em comparação com os que não bebiam café.

“Até onde sabemos, este é o maior estudo para avaliar sistematicamente os efeitos cardiovasculares do consumo regular de café em uma população sem doença cardíaca diagnosticada”, disse a Dra. Judit Simon, do Centro Cardíaco e Vascular, Universidade Semmelweis, Budapeste, Hungria.

O estudo foi derivado de mais de 468.000 pessoas que participaram de um estudo do UK Biobank que mediu dados genéticos e de saúde.

A idade média do grupo de estudo era de 56 anos.

Café em excesso pode ser ruim?

As diretrizes federais de saúde sugerem que os adultos não bebam mais do que três a cinco xícaras de café por dia (sugere-se um máximo de 400 miligramas, ou quatro xícaras).

Os autores do novo relatório não encontraram efeitos adversos à saúde entre os participantes que atendiam regularmente ao máximo dessa recomendação.

O consumo de café leve a moderado foi definido como meia xícara a três xícaras por dia, enquanto o alto consumo de café denotou participantes que consumiam regularmente mais de três xícaras por dia.

“Nossos resultados sugerem que o consumo regular de café é seguro, já que mesmo uma alta ingestão diária não foi associada a resultados cardiovasculares adversos e mortalidade por todas as causas após um acompanhamento de 10 a 15 anos”, ela continuou. “Além disso, meia xícara a 3 xícaras de café por dia foram independentemente associadas a menores riscos de acidente vascular cerebral, morte por doença cardiovascular e morte por qualquer causa.”

Depois que uma análise de acompanhamento foi realizada 11 anos após o início do período de estudo, os autores descobriram que os consumidores de café leve a moderado tinham 12% menos probabilidade de morrer por qualquer causa, 17% menos probabilidade de sucumbir a doenças cardiovasculares, e 21% menos probabilidade de sofrer um derrame em comparação com os que não bebem café.

Esses resultados permaneceram consistentes mesmo depois que os autores ajustaram para fatores como idade, sexo, peso, altura, tabagismo, atividade física e histórico médico.

“A análise de imagem indicou que, em comparação com participantes que não bebiam café regularmente, os consumidores diários tinham corações mais saudáveis ​​e com melhor funcionamento. Isso foi consistente com a reversão dos efeitos prejudiciais do envelhecimento no coração. ”

Como o café protege o coração

Um estudo recente publicado na revista PLOS Biology sugere que uma proteína chamada p27 é o que torna o café tão bom para o coração.

Em uma safra de camundongos, a presença de p27 protegeu as células do músculo cardíaco de morrer depois que um ataque cardíaco foi induzido nelas. Além disso, a proteína fez com que outras células e fibroblastos importantes para a função cardíaca se tornassem mais ativas.

Quando os camundongos receberam cafeína, o p27 moveu-se de maneira mais confiável para as mitocôndrias das células cardíacas dos camundongos, bem como para o revestimento dos vasos sanguíneos.

A dose de cafeína dada aos ratos foi equivalente a quatro xícaras de café, o que está de acordo com os resultados apresentados pela Sociedade Europeia de Cardiologia.

Exceder esse valor do café pode causar insônia, ansiedade e problemas digestivos (para humanos, não para ratos).


Siga-nos