Instituição cristã de caridade pede libertação de jornalista presa na China por denunciar Covid-19

Uma instituição cristã de caridade está pedindo a libertação imediata de uma jornalista chinesa que foi presa por escrever sobre a pandemia de Covid-19. Zhang Zhan foi detida pela polícia da cidade de Xangai em maio de 2020, por seus relatórios sobre o surto de coronavírus em Wuhan, primeiro epicentro da doença.

A jornalista compartilhou vídeos no YouTube mostrando hospitais superlotados, crematórios e até entrevistas com pessoas durante os estágios iniciais da pandemia. Por isso, ela foi condenada sob a acusação de "provocar confusões e causar problemas", uma acusação frequentemente usada pelas autoridades chinesas contra ativistas pelos direitos humanos.

Desde então, ela está em greve parcial de fome em protesto contra sua detenção, mas, como consequência, sua saúde piorou gravemente. Claire Denman, vice-presidente de relações públicas da Christian Solidarity Worldwide, instituição cristã de caridade, comentou o caso:

"Sua saúde se deteriorou criticamente a ponto de pedirmos que ela seja libertada em liberdade condicional. Nos últimos 15 meses, sua saúde piorou dramaticamente. A família [de Zhang] não teve permissão para visitá-la, embora ela esteja em estado crítico", informou Claire.

No momento de sua detenção, Zhang disse a uma amiga que sentiu que era "a vontade de Deus" que ela relatasse a pandemia, apesar das consequências, pois ela teria que "contar a verdade a todos".

Após ser sentenciada à prisão, Zhang Zhan disse que iria “continuar a lutar de uma forma cristã, mesmo que custe a minha vida. Vou fazer com que [as autoridades chinesas] se arrependam, e continuarei a orar para que o grande amor de Deus me guie."

O presidente da Christian Solidarity Worldwide, Mervyn Thomas, afirmou que esse é mais um caso de cerceamento da liberdade de expressão a cidadãos chineses:

"A Sra. Zhang foi ilegalmente presa por exercer seus direitos fundamentais à liberdade de expressão. A rápida deterioração de sua saúde é alarmante. Pedimos urgentemente às autoridades chinesas que coloquem Zhang Zhan em liberdade condicional e garantam que ela receba atendimento médico imediato e adequado. Pedimos ainda às autoridades que garantam que sua família tenha permissão para se encontrar com ela e receber informações sobre sua condição."