Rio mantém medidas restritivas diante do aumento do número de casos e óbitos por Covid A prefeitura do Rio de Janeiro prorrogou até o dia 30 de agosto as medidas restritivas que ainda estão em vigor na cidade. Boates, pistas de dança e eventos com aglomeração continuam proibidos. Atividades culturais só podem ter pessoas sentadas. E o uso de máscara também continua sendo obrigatório.

E estado do Rio de Janeiro vem registrando um novo aumento no número de casos confirmados de Covid-19 desde o início deste mês. A taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado, no dia 31 de julho, era de 52%; nesta semana chegou a 67%. Por isso, quaisquer denúncias de infrações às regras da prefeitura devem ser feitas pelo telefone 1746.

O cenário epidemiológico do estado do Rio de Janeiro concentra vários casos identificados de Covid-19 em decorrência da variante Delta, além de sinalizar para o aumento da incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Também apresentam indícios de SRAG/Covid-19 ao longo das últimas seis semanas, o Rio Grande do Norte, a Bahia e o Paraná. Cerca de 98% dos casos de SRAG com confirmação positiva é por infecção do novo coronavírus.

Os pesquisadores defendem a importância da aceleração da vacinação, do uso de máscaras e do distanciamento físico. “Há também uma retomada da circulação de pessoas nas ruas próximas ao padrão anterior à pandemia, devido a uma sensação artificial de que a pandemia acabou, contribuindo para um relaxamento das medidas de prevenção por parte das pessoas e gestores”, diz o boletim.

Redução de mortes em todo o país, menos no Rio
No restante do país, pela oitava semana consecutiva houve uma redução do número de casos, internações e óbitos no país, segundo o Boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado ontem (19). No decorrer das últimas semanas, houve uma redução das taxas de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS), índice que vem melhorando no país. A exceção é o estado do Rio, que apresenta aumento no indicador pela terceira semana consecutiva, voltando a atingir o patamar de 70%, o que não ocorria desde meados de junho.