Deputada do PSol denuncia hospital por Bíblia entregue a mulher que faria aborto

Até parece aqueles casos que ocorrem normalmente em países de grande perseguição religiosa em que cristãos são condenados à prisão por proselitismo, mas aconteceu aqui no Brasil. A deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL) pediu explicações ao Hospital Pérola Byington, no Centro de São Paulo, após uma mulher ter se sentido ofendida por receber uma Bíblia dentro da unidade de saúde na quarta-feira (18). O local é considerado como referência para abortos em casos previstos pela lei.

A mulher, que não quis se identificar, foi vítima de violência sexual e escolheu abortar o bebê, fruto do estupro. Ela contou que estava na fila do ultrassom quando funcionárias uniformizadas do hospital passaram no local distribuindo absorventes e, na sequência, exemplares do Novo Testamento.

A mulher se disse incomodada porque sua família é cristã e o fato de receber uma Bíblia naquele momento a fez pensar se aquilo era um sinal de Deus.

O diretor do Hospital Pérola Byington, Luiz Henrique Gebrim, afirmou que a distribuição de Bíblias aconteceu sem o conhecimento da administração da unidade e por engano por um grupo de voluntárias que ajudam o hospital com doações de artigos de higiene.

 


Siga-nos