Twitter é criticado por permitir postagens do Talibã, enquanto bloqueia Trump

Um congressista republicano enviou uma carta ao CEO do Twitter, Jack Dorsey, denunciando o “preocupante padrão duplo” do gigante das mídias sociais por banir o ex-presidente de sua plataforma, mas permitir o Talibã. 

O deputado Doug Lamborn, do Colorado, enviou a carta a Dorsey na terça-feira (17), com Lamborn postando uma cópia em suas contas no Twitter e no Facebook no mesmo dia.

Lamborn acusou o Twitter de não impor nenhum de seus esforços de verificação de fatos nas contas do grupo extremista, ou de bani-las devido à proibição do site de mídia social de "organizações violentas".

“Está claro que o Talibã é uma organização violenta”, escreveu o congressista, observando que “não encontrou uma única verificação de fato em qualquer um de seus tuítes, nem quaisquer avisos de conteúdo falso ou enganoso”.

“É impossível ver como os relatos de membros do Talibã não violam suas políticas.”

Lamborn acrescentou que acreditava estar “claro que o Twitter tem viés político em seus algoritmos e um padrão duplo preocupante”. 

O Twitter disse à revista Newsweek, também na terça-feira, que manterá as contas do Talibã de acordo com os padrões de conteúdo e "continuará a aplicar pró-ativamente nossas regras e revisar o conteúdo que pode violar as regras do Twitter, especificamente as políticas contra a glorificação da violência, manipulação de plataforma e spam".

Por outro lado, outros sites de mídia social, como o Facebook, reafirmaram seu compromisso de banir o conteúdo que promove o Talibã.