Membros da PGR poderão ter suas redes sociais monitoradas A Corregedoria do Ministério Público Federal (MPF) solicitou à Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria Geral da República relatórios semanais sobre o comportamento dos membros da PGR nas redes sociais.

O documento interno menciona que o corregedor-geral do MPF, Oswaldo José Barbosa Silva, entende que é sua função orientar e prevenir os membros quanto ao uso das redes sociais.

O monitoramento seria uma tentativa de evitar que inquéritos administrativos disciplinares sejam abertos contra os membros que costumam fazer publicações nas redes sociais.

De acordo com o texto, a iniciativa serviria como um chamamento à reflexão sobre tal ato, a fim de resolver o infortúnio com recomendação e solicitação de comprometimento ao servidor.

O corregedor justifica que não seria um monitoramento direto, mas sim um levantamento de capturas de imagens das telas onde os membros publicarem esses conteúdos.