Áudio de WhatsApp sobre oferta de emprego é fake news

Dezenas de pessoas caíram em um golpe de falso emprego. Um anúncio via WhatsApp levou desempregados a formarem fila no Centro de Niterói no início da manhã desta sexta-feira (16).



Áudios que circulavam pelo aplicativo de mensagens esta semana davam conta da inauguração de uma suposta sede do Sistema Nacional de Empregos (Sine-RJ) na Avenida Feliciano Sodré.



"Quem tiver desempregado na sua família, manda pro Sine Niterói, a inauguração vai ser sexta-feira, dia 16, na rua da rodoviária, oito da manhã. Eu não vou 'tá' lá. Eu trabalho na matriz, eu trabalho na sede, lá no Rio. Manda a galera pra cá porque tem muito emprego, muito emprego. Manda todo mundo pra cá. Sexta-feira, dia 16 de agosto, levar todos os documentos. Eu não vou tá lá, mas vai ter muita vaga de emprego, manda a galera toda pra lá", dizia um dos áudios.



Paralelamente, postagens no Facebook afirmavam haver cerca de 1.500 vagas na nova unidade. Segundo a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais a mensagem é falsa. O órgão precisou enviar representantes ao local para desfazer a mentira que enganou dezenas de pessoas que foram ao local na esperança de conseguir uma vaga no mercado de trabalho.



“Nós não temos neste presente momento nenhum Sine sendo inaugurado [em Niterói]”, disse Ana Asti, subsecretária de Emprego e Renda. “Estou muito sensibilizada. Realmente é uma falta de respeito com a população. Esse tipo de informação mexe com a vida das pessoas”, afirmou Ana.



Somente às 7h15, quando um funcionário da Prefeitura de Niterói chegou ao endereço e avisou às pessoas que não haveria inauguração, a fila se desfez. Mas outras pessoas continuavam chegando ao local.



Dados divulgados nesta quinta-feira (15) pelo IBGE mostram que, no Rio de Janeiro, 1,3 milhão de pessoas estão sem ocupação – quase a metade, 500 mil, procura emprego há mais de dois anos.



É muito importante não confiar em mensagens que circulam em canais não oficiais de informação. Antes de acreditar em conteúdos que circulam em WhatsApp ou em outras redes sociais, informe-se em veículos de comunicação de credibilidade e nos canais oficiais do governo e da prefeitura, e seus respectivos órgãos.