Regis Danese relembra início na música gospel: “com Deus é diferente, Ele vai nos preparando”

O cantor Regis Danese foi o convidado da vez no programa ‘Melodia Ao Vivo’, e esteve no estúdio da Rádio Melodia com a apresentadora Debora Lyra. Além de cantar os louvores que marcaram sua carreira, incluindo o grande sucesso ‘Faz Um Milagre Em Mim’, Regis falou sobre sua trajetória, principais percalços e bênçãos durante seus anos de ministério.

O cantor relembrou também o início na música gospel, depois de fazer carreira no meio secular: “muitas pessoas não entendem que existe um chamado de Deus.”

Confira a entrevista:

Regis, como você chegou na música gospel?

Regis Danese:
Olha, eu tive uma passagem enorme pelo meio secular, gravei como dupla sertaneja, fui backing vocal do 'Só Pra Contrariar', escrevi vários sucessos para o próprio 'Só Pra Contrariar', Daniel, Belo, Sorriso Maroto, Leandro e Leonardo... e aí as pessoas perguntam "Regis, você mudou de estilo?" Não, eu tive um encontro com Deus.

Fiquei três anos na igreja, Deus me chamando para a obra, e eu tentei fugir por três anos, mas o chamado de Deus foi muito mais forte do que a minha teimosia, e quando eu atendi o chamado de Deus eu pensei: "vai ser fácil, olha o meu currículo, compositor do fulano, do beltrano...", mas com Deus é tudo diferente. Existe um processo, a gente tem que estar pronto, e Ele vai nos preparando, Ele permite pessoas te humilharem para não ser tudo muito fácil.

Nenhuma gravadora quis pegar o meu trabalho, tive que lançar independente, o segundo foi muito difícil, e aí o 'Faz Um Milagre Em Mim' veio a acontecer no terceiro CD, que é o 'Compromisso'.

Quais são os pontos que você tira como maior aprendizado no seu ministério?

De sempre olhar para a cruz. Não olhar para as circunstâncias que estão ao nosso redor, por mais que elas sejam desfavoráveis, não olhar para o momento. Olhar para Jesus, para o alvo, porque a caminhada com Cristo não é fácil. No mundo, as coisas aparentemente são mais fáceis, acontecem numa velocidade maior. Para o cristão, para o crente tudo é mais difícil, mas lá na frente a gente recebe uma recompensa que não tem preço.

Regis, você compõe suas canções?

Sim, algumas delas, a maioria. Tem também composições da minha esposa; do Joselito, que é a pessoa que Deus colocou na minha vida no início da minha conversão... antes, eu compunha com o Alexandre Pires... quando eu me converti, eu comecei a escrever músicas com o Joselito.

Essa música 'Tu Podes', um jovem me enviou ela na época, não muito bem gravada, o violão não estava muito bem afinado, mas eu ouvi com bons ouvidos. Depois, no outro disco, ele me mandou mais cinco músicas, gravei as cinco. Depois, ele me mandou oito, eu gravei as oito.

E Deus falava no meu coração: esse menino vai gravar. Eu falei isso para ele, e ele: "não, Deus não tem esse chamado para a minha vida, só de compositor." Eu falei "Deus me mostrou", e ele disse: "então, vou orar com a minha esposa". Ele orou com a esposa dele, na época, e no outro dia a Dona Yvelise, da MK Music, estava ligando para ele, para contratar o Pr. Lucas.

E a família, Regis, está tudo bem?

Nós estamos igual Mandruvá, tudo juntinho, nessa pandemia. Está tudo bem. Meu filho está comigo aqui, a Brendinha está doidinha para viajar, está uma moça mais linda, com 12 anos. E eu quero agradecer à Melodia, que orou muito por ela, ao Rio de Janeiro, que orou muito por ela quando ela teve leucemia... inclusive a canção 'Tu Podes' foi ministração na minha vida. "O que eu não posso fazer, tu podes, Senhor. A cura, o milagre que eu preciso, tu podes".

Primeiro, a cura e o milagre aconteceram na minha casa, hoje a Brenda está com 12 anos, linda, abençoada, cheia da presença de Deus, uma menina focada. Minha esposa também, está lá em casa. Nessa pandemia é difícil viajar com a família toda, mas sempre que a gente tem uma oportunidade, a gente viaja junto com a família.

Graças a Deus, já estamos caminhando para o final dessa pandemia. Mas o que você aprendeu nesse período?

Que nós somos totalmente dependentes de Deus. A gente faz planos, mas a gente não sabe se vai estar vivo. Quantos amigos eu vi partindo. No começo do meu ministério, eu ficava aqui no Méier, no apartamento de uma amiga lá de Uberlândia, ela emprestava o apartamento. Eu fiquei muito triste que nessa pandemia, em menos de um mês, ela perdeu os dois filhos dela, únicos filhos.

Então, a gente aprende que nós estamos aqui de passagem, e a gente tem que aprender, temos que tirar toda a arrogância, o orgulho que há no nosso coração, porque o rico, o pobre, o branco, o preto vão tudo para o mesmo lugar, debaixo da terra. Aquele que tem Cristo vai para Cristo. Se não tiver Cristo...

Então, isso nos ensinou a buscar mais a presença de Deus, a gente ficou um tempo sem ir na igreja, todo mundo com medo, a igreja fechou, e até depois que abriu a gente ficou com receio de estar num ambiente fechado. Então, eu acredito que quem não aprendeu nada nessa pandemia não aprende mais.

Como é a experiência também do Regis Danese apresentador de TV, além do Regis cantor e compositor?

O lance da televisão já tem muitos anos que Deus falava: vou te dar um programa de TV. Só que eu achei que ia ser um pouco mais difícil, e quando me convidaram foi um desafio muito grande, porque eu já comecei entrevistando Eliana, Ratinho. Você entrevistar um cantor é mais fácil, a gente está no mesmo nível, é o mesmo papo, é bem mais fácil. Mas você entrevistar um apresentador que já está há mais de 30 anos apresentando....

Mas Deus foi me capacitando a cada dia, e o programa 'Regis Danese Na Sua Casa' teve o início lá na Record em Minas, e estamos com algumas propostas agora a nível nacional, estamos orando a Deus para ver o que Ele prepara. É um programa que a gente vai na casa das pessoas, e ali a gente tenta realizar um sonho, uma ajuda, e conseguimos ajudar muitas famílias através desse programa com a ajuda de nossos patrocinadores. 

Por falar em carreira, qual é a dificuldade que você encontrou dentro do seu ministério?

A maior dificuldade foi o início de tudo, um pouco do preconceito de estar no pagode e vir cantar para Jesus. Muitas pessoas não entendem que existe um chamado de Deus, assim como existe um chamado de pastor. Eu sei que eu tenho um chamado pastoral, embora ainda nunca abri uma igreja, porque eu sou muito temente a Deus. Eu sei que um dia não vai ter como fugir, mas eu só vou fazer isso o dia que Deus falar: é agora.

Porque a gente sabe as dificuldades, ministério não é fácil, não é fácil cuidar de ovelhas... a gente custa a cuidar da nossa casa, primeira coisa eu tenho que cuidar da minha família, então já é difícil cuidar da nossa família, quanto mais cuidar de outras famílias. Mas na hora que Deus falar "é agora", eis-me aqui, Senhor.

Regis, quando você não está cantando, o que você gosta de fazer?

Eu sou caseiro. Chego em casa, a minha esposa, com a Brendinha, ama passear, gosta de ir em shopping... eu não, eu já sou caseiro, gosto de assistir a uma televisão, ficar em casa com a família. Então, quando eu não estou fazendo nada, eu estou em casa.

Regis, a sua agenda já está reabrindo? Passa aí seus contatos.

Já está reaberta. Tem que reabrir, porque ninguém aguenta ficar um ano e meio parado em casa. Eu sou caseiro, mas eu enjoei de casa agora, estou doido para viajar.

O contato é (34) 99106-7404. Lá no meu Instagram @rdaneseoficial também tem o site, me segue lá, sempre a gente está postando algo novo lá que vai edificar tua vida. Em todas as redes sociais é Regis Danese.