Denúncia: pais dizem que alunos estão sendo coagidos a participar de manifestações O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, mandou a Força Nacional cercar e proteger a sede do Ministério da Educação na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.



O pedido partiu do ministro da educação, Abraham Weintraub, e foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (30).



A principal pauta dos protestos, segundo movimentos estudantis, é o fim do contingenciamento de verbas de universidades públicas.



Em vídeo publicado no YouTube, o ministro da educação denunciou que há “coação” por parte de professores pela participação de estudantes nos atos. Segundo Weintraub, o MEC está recebendo mensagens de muitos pais de alunos citando explicitamente que alguns professores, funcionários públicos, estão coagindo os alunos, dizendo que eles serão punidos caso não participem das manifestações.



— Esse governo acredita que as manifestações democráticas e pacíficas são um direito de todos os brasileiros. Contra, a favor. O que não pode acontecer é a coação de pessoas que, no ambiente escolar público, criem algum constrangimento aos alunos a participarem dos eventos — disse Weintraub, em vídeo divulgado no Twitter. — Nós estamos aqui recebendo no MEC cartas e mensagens de muitos pais de alunos citando explicitamente que alguns professores, funcionários públicos, estão coagindo os alunos ou falando que eles serão punidos de alguma forma caso eles não participem das manifestações. Isso é ilegal, isso não pode acontecer.



O ministro também pediu que aqueles que tivessem passado por tal situação encaminhassem "a prova" para o endereço sistema.ouvidorias.gov.br , para que o MEC tome "as devidas providências legais".