Perseguição na China: oficiais removem à força cruzes de barcos de proprietários cristãos

Oficiais chineses removeram de forma forçada cruzes de mais de 90 embarcações de pescadores cristãos durante o mês de julho, permitindo que barcos com símbolos de outras religiões permanecessem como estavam.

A denúncia é da International Christian Concern (ICC), organização humanitária contra a perseguição de cristãos pelo mundo. A opressão ocorreu na província de Chequião, no leste da China, onde mais de 50% da população é cristã. Os oficiais informaram aos pescadores que “se as cruzes não forem removidas, nós não daremos autorização para abastecer ou sair do porto”.

“Embora a liberdade religiosa seja garantida pela constituição, ela é, na verdade, uma promessa vazia; [o governo comunista] nunca executa de acordo com a lei”, declarou um pescador ao ICC.

“Enquanto que os cristãos foram alvo da ação, embarcações com símbolos religiosos de outras fés ficaram intocados. Os pescadores não tinham a quem recorrer, então eles compartilharam sua indignação online. Eles dizem que o governo não tem razão, pois os barcos são propriedade privada e a escolha pela ornamentação é uma liberdade individual.” – diz o relatório do ICC.

Esse é mais um caso de perseguição a cristãos na China. Em maio deste ano, o país bloqueou aplicativos online da Bíblia e deletou perfis de cristãos do ‘WeChat’, rede social semelhante ao WhatsApp.


Siga-nos