Pastor Jorge Linhares recebe apoio durante depoimento à Associação Mineira do Ministério Público

A tarde de segunda-feira (02) foi de manifestação em frente ao prédio da Associação Mineira do Ministério Público, em Belo Horizonte. Um grupo de evangélicos foi para o local onde o pastor Jorge Linhares compareceu para prestar esclarecimentos sobre a divulgação de um vídeo contra ideologia de gênero publicado pelo Colégio Batista Getsêmani, ao qual ele responde como diretor geral. O grupo acusou o MPMG de tentar calar aqueles que não concordam com a agenda LGBTQ+.

A polêmica começou quando o perfil do colégio no Instagram repostou um vídeo em que crianças aparecem dizendo “O meu Deus nunca erra” como resposta à campanha da rede de fast food Burger King que apoia a ideologia de gênero e também foi feita por meninos e meninas.

Após o depoimento, o pastor declarou que não houve ato de homofobia.

“O promotor está no papel dele. Ele tinha que questionar e saber quem era o pastor Jorge Linhares, e se tinha realmente em mim o princípio de homofobia. E não existe isso. Nós só reafirmamos o que a Bíblia já fala, que Deus criou o homem e mulher”, declarou.

A filha do pastor Jorge Linhares, Daniela Linhares, falou aos manifestantes e conduziu um momento de oração junto a eles. Durante uma live nas redes sociais do pastor, ela ainda sobre o posicionamento da Igreja Batista Getsêmani, da qual o seu pai é o líder.

“Vai chegar o dia e a hora que seremos impedidos de pregar a Palavra de Deus. Isso é uma gota do que está acontecendo no Brasil e no mundo”, alertou ela.

Com faixas e cartazes, cristãos manifestaram seu apoio ao pastor Linhares e a tantos outros pelo direito de poder dizer o que está escrito na Bíblia: “menino é menino, e menina é menina”.

Em relação à retirada do vídeo da internet, o pastor disse que vai aguardar o posicionamento do Ministério Público.


Siga-nos