Caso Joice Hasselmann: Polícia Legislativa concluiu investigações; MPF solicitou mais informações A Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados (Depol) disse não ter identificado a entrada de nenhuma pessoa estranha no apartamento funcional, em Brasília, onde mora a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). Foram analisadas imagens das câmeras de segurança referentes ao período entre os dias 15 e 20 de julho. A parlamentar sofreu um incidente, ainda sem explicação sobre a causa, na madrugada do dia 18.

Joice diz ter acordado com fraturas e hematomas pelo corpo e sem memória do que aconteceu. Além da Polícia Legislativa, a Civil também investiga o caso atualmente.

"A Depol realizou perícia em 16 câmeras do prédio onde se localiza o apartamento funcional da deputada Joice Hasselmann e concluiu que a parlamentar não saiu do imóvel de quinta (15) a terça-feira (20), momento em que teria saído para o hospital. Além disso, foram realizadas oitivas de funcionários que trabalham no local. Também não foi identificada a entrada de nenhuma pessoa estranha nesse período", informa a Depol.

A assessoria da Câmara disse que há segurança nos locais onde ficam os apartamentos funcionais dos parlamentares. "Os prédios possuem vigilância armada e porteiros, ambos 24 horas por dia, 7 dias por semana. Além disso, há câmeras de segurança e rondas ostensivas, com viatura caracterizada", diz a nota. Ainda nesta terça-feira, 27, a Polícia Civil realizou uma perícia no apartamento da deputada e, na segunda, o carro dela foi vistoriado pelas autoridades.

Também na segunda-feira, 26, Joice prestou depoimento por mais de duas horas na Polícia Civil do Distrito Federal sobre os ferimentos no seu corpo.

Apesar de não se lembrar do ocorrido, Joice diz ter certeza que não foi espancada pelo marido, conforme internautas especularam.

A Depol enviou ontem os laudos ao Ministério Público Federal, após determinar que o caso estava encerrado. O procurador Wellington Divino Marques constatou que era necessário finalizar os laudos periciais produzidos na investigação para que seja possível dar prosseguimento ao caso. O MPF considerou que os laudos estavam incompletos e solicitou que fossem complementados.

Siga-nos