Liberdade econômica: menos burocracia, mais empregos A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira por 345 votos a 76 o texto-base da medida provisória conhecida como MP da liberdade econômica.

Com a aprovação, os deputados agora devem analisar os destaques para concluir a votação. A sessão está marcada para esta quarta-feira (14). Em seguida, caberá ao Senado discutir a MP.

Entre outros pontos, a proposta define regras para trabalho aos domingos; estabelece que a carteira de trabalho será emitida "preferencialmente" em meio eletrônico; e prevê os critérios para a adoção do registro de ponto de funcionários.

Nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro comemorou:

“Por 345 x 76, o texto-base da nossa Medida Provisória da Liberdade Econômica acaba de ser aprovado na Câmara. O Brasil dá mais um passo importantíssimo rumo à prosperidade. Nossos parabéns aos parlamentares! A caminho, menos burocracia e mais empregos”, escreveu o presidente.

Há pelo menos quatro décadas o Brasil tenta diminuir a burocracia que sufoca a economia - e torna o país difícil para se fazer negócios.

Pelas contas da Federação das Indústrias de São Paulo, o Brasil gasta por ano com burocracia cerca de R$ 136 bilhões. Em 30 anos, foram criadas novas cinco milhões de normas no país.

Entre as pequenas empresas, segundo o Sebrae, a burocracia é um dos fatores que leva tantas a não chegar sequer ao segundo ano de vida.

Numa comparação entre 190 países, estamos na posição 109 na facilidade de fazer negócios. Para abrir uma empresa, o número de procedimentos, o tempo gasto e o custo colocam o Brasil na posição 140.