Argentina inclui opção para pessoas não binárias nos documentos oficiais A Argentina segue com sua agenda progressista. Após a liberação do aborto, agora o país colocou em vigor nesta quarta-feira, 21, um decreto especificando que qualquer pessoa com identidade não binária (que não se entende como alguém do gênero masculino ou feminino) pode obter um documento de identificação ou passaporte respeitando a maneira como se reconhece.

Agora, além das opções “M” para masculino e “F” para feminino nos formulários, as pessoas contarão com a opção “X” para não binário.

A mudança, pioneira na América Latina, foi marcada por um discurso do presidente Alberto Fernández, que considerou o momento como essencial para que “ninguém se importe com o sexo das pessoas” no país. “Vamos, de pouco a pouco, tornando possível o que parecia impossível”, afirmou.

Na cerimônia, três pessoas receberam os primeiros documentos com a nova formatação. Fernández justificou que a mudança se adequa a convenções internacionais da qual o país faz parte.

Além da Argentina, Canadá, Austrália e Nova Zelândia adotaram a medida. Apesar da mudança ter sido comemorada por alguns, outras pessoas de movimentos políticos e sociais protestaram contra a medida afirmando que “não são um X”.