Inglaterra tem cinco vezes mais mortes por suicídio do que por Covid entre crianças

No primeiro ano do restrições para contenção do coronavírus, cinco vezes mais crianças e adolescentes morreram por suicídio na Grã-Bretanha do que pelo próprio vírus. A constatação é de um estudo realizado pela University College London, a University of York, a University of Liverpool e a Universidade de Bristol. Os pesquisadores chegaram à conclusão de que o coronavírus é pouco perigoso para as crianças.

No entanto, as medidas contra a pandemia representam o risco real para a saúde dos jovens, de acordo com o estudo: “O risco de retirar crianças e jovens de suas atividades normais, ou seja, escola e reuniões sociais, provavelmente representa um risco maior do que SARS-CoV- 2.”

No país, a vacinação infantil é fortemente desencorajada. Os estudos indicam que um total de 61 adolescentes morreram após teste positivo para coronavírus. A maioria tinha comorbidades. Diante de uma população total de 60.800.000 pessoas, o número é considerado baixo.

Suicídios frequentes de adolescentes

No mesmo período, porém, ocorreram 124 suicídios de crianças e adolescentes e mais 268 mortes por “traumas”, ou seja, acidentes. Isso significa que morreram cinco vezes mais adolescentes por suas próprias mãos do que pelo próprio vírus. O bloqueio social é apontado como a principal causa do aumento de suicídios. Em janeiro deste ano, uma instituição governamental chamada “Children's Commissioner” (Escritório do Comissário Infantil da Inglaterra) profetizou que “os danos à saúde mental das crianças poderiam continuar por anos”.

Seria, portanto, necessária uma expansão das instalações de saúde mental para crianças “em grande escala”. De acordo com um estudo do sistema nacional de saúde, a incidência de problemas de saúde mental entre adolescentes aumentou 50% no ano passado. Um diagnóstico psicopatológico já foi feito em uma em cada seis crianças.

Importante: Se você está no Brasil tem preocupações e depressão que o deixam atormentado, peça ajuda ao Centro de Valorização da Vida AQUI ou pelo telefone 188.