Educadora demitida no Reino Unido por ser contra ideologia de gênero ganha direito de recorrer

Uma educadora que teria sido demitida no Reino Unido por conta da fé cristã ganhou o direito de recorrer em seu caso. No começo de 2020, Kristie Higgs foi demitida da ‘Farmor’s School’, que fica em Fairford, pequena cidade na Inglaterra, após compartilhar em seu perfil do Facebook uma petição contra os planos de incluir ensinamentos sobre relações LGBT na educação sexual.

Depois da publicação, um usuário teria enviado uma reclamação anônima aos diretores da escola, afirmando que “as visões de Kristie eram homofóbicas e preconceituosas”. A educadora, então, foi suspensa e dispensada por “conduta grosseira”.

Apoiada pela ‘Christian Legal Centre’, organização que dá apoio jurídico a cristãos discriminados por sua fé no Reino Unido, Kristie foi à justiça para tentar provar que foi discriminada por sua crença cristã. Depois de receber uma decisão negativa do tribunal, a educadora ganhou agora o direito de recorrer:

“Eu fico feliz que o juiz nos deu a permissão para apelar. Eu tenho que continuar lutando por justiça para que ninguém mais tenha que passar pelo que eu passei. Eu quero que os pais tenham liberdade de manter seus filhos alinhados com a fé cristã, eu quero que as crianças sejam protegidas dessa ideologia danosa [de gênero]. Cristãos devem ter o direito de compartilhar suas opiniões e crenças sem ter medo de perder seus empregos.” – comemorou Kristie.

Andrea Williams, executiva-chefe do ‘Christian Legal Centre’, afirmou que “a história de Kristie Higgs deveria preocupar todos nós que nos importamos com a liberdade de ser um cristão no Reino Unido”.